Especiais

Como animes foram criados? Entenda a história toda e como surgiu

20 minutos para leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Você por acaso sabe como os animes foram criados, ou como os animes surgiram? Ou quem sabe “a história dos animes”? Em outras palavras, você sabe quem foram os primeiros aventureiros a pular de cabeça na maravilhosa e arriscada indústria da animação japonesa? 

Já parou para pensar que, mesmo gostando ou até mesmo amando os animes, você talvez nunca tenha ido atrás de descobrir como o anime surgiu, de fato, né?

Eu sempre gostei de descobrir como as coisas surgiram, juntamente com seus criadores. Por exemplo, você sabe quem é Willis Carrier? Ou John HarringtonPercy Spencer? E o Pelé? Brincadeira, tenho certeza que o último você já conhece! 

Arrisco dizer que a grande maioria das pessoas que estão lendo esta postagem não fazem ideia de quem são os citados antes do rei do futebol.  

Mas calma, isso é normal. Não precisa ficar triste! Eu mesmo não lembrava de dois deles, porém me vi na obrigação de citá-los nesta introdução. 

Eu gosto de buscar na memória (ou no Google rs) alguns nomes como os antes citados. O intuito é para reforçar a ideia: se hoje temos, é porque, um dia, alguém não tinha. 

O primeiro, Willis Carrier, é o inventor do ar-condicionado. Harrington, por sua vez, é o criador do vaso sanitário. Este, posteriormente foi aprimorado por Joseph Brama, com a criação da descarga sanitária. O último desconhecido, Percy Spencer, é o criador do micro-ondas.

Contudo, você viveria sem alguma dessas criações? Bom, talvez sem o ar-condicionado, mas seria complicado enfrentar os verões em nosso calorento país tropical.  

E agora onde eu queria chegar: você viveria sem uma das mais incríveis invenções da mídia animada, os chamados “animes”?

Vegeta de Dragon Ball Chorando
“Até os mais fortes e rabugentos sentiriam falta”

Animes foram criados para construir caráter também!

Não sei se o seu caso é como o meu, mas os animes certamente moldaram grande parte da minha personalidade.

Por isso, acho interessante pelo menos conhecer um pouco das origens destes desenhos que divertem, ensinam e emocionam tantas pessoas ao redor do mundo.  

Nesta postagem da Cúpula, vou resgatar um pouco do que antecede os animes da atualidade, ou seja, a história de como animes surgiram.

Focarei em explicar como os acontecimentos passados possibilitaram que o pessoal lá dos anos 60 pudesse começar a desfrutar desses divertidíssimos desenhos no calor e conforto de seus lares. 

O começo: os primórdios de como os animes foram criados

Com fortes influências da Disney, a história de como os animes surgiram começa na 2ª metade do século XX, por meio de alguns curtas-metragem parecidos com os encontrados em diversos países – até mesmo hoje em dia.  

Voltando um pouco na linha do tempo, ali para a 1ª metade do século XX, em 1906, surge a primeira tentativa de desenho animado, chamada The Humorous Phases of Funny Faces.

O cineasta responsável foi o estadunidense James Stuart Blackton. O curta tem somente 3 minutos de duração! É bem fácil de encontrar na internet.

Um ano depois, em 1907, a primeira animação japonesa aparece, nomeada: Katsudo Sashin. O seu desconhecido autor conseguiu fazê-la ser ainda menor do que o curta americano. A Katsudo Sashin tem surpreendentes 3 segundos! É sério:

Um pouco depois na história de como surgiram os animes…

Alguns anos se passam, e, entre os anos 1914 e 1917, após a chegada de cerca de 90 filmes de animação estrangeiros no Japão, os produtores japoneses começaram a ver potencial nos desenhos animados, e resolvem entrar nessa “corrida animada”. 

Imokawa Mukuzō Genkanban no Maki um dos primeiros animes que surgiram

Em 1917 o Japão consegue realizar seu primeiro filmeImokawa Mukuzō Genkanban no Maki, que, até a descoberta de Katsudo Sashin, era considerado o anime mais antigo do mundo. 

Sendo assim, desconsiderando os poderosos 3 segundos do curta de 1907, pode-se dizer que a indústria da animação japonesa começou, de fato, em 1917. 

O pioneiro dentre pioneiros na história de como os animes foram criados!

Um dos primeiros desta indústria foi o desenhista de estilo ocidental Seitaro Kitayama. Ele produziu cerca de 10 filmes animados japoneses em 1917. 

Kitayama contratou vários animadores e os treinou. Ele criou seu estúdio próprio em 1921, porém, infelizmente, o Grande Terremoto de Kyoto devastou suas instalações em 1923. Isso fez com que o artista se mudasse de cidade e largasse sua carreira de cinema. 

Ou será que foi um “felizmente”? 

Mapa do Japão com epicentro do grande terremoto de kyoto
“O Japão é um dos países que mais sofre com tremores de terra”

Como disse uma vez Cora Carolina, um pseudônimo de Ana Lins Guimarães Rosa, “Quando as coisas ficam ruins, é sinal de que as coisas boas estão por perto…” 

O terremoto foi um desastre natural terrível, isso é inegável… 

Entretanto, talvez, se não fosse por tal desastre, os discípulos de Kitayama poderiam nunca terem criado suas próprias asas e voado. Ou seja, talvez a o surgimento dos animes e a indústria como é hoje nunca atingisse um patamar mais alto sem a tragédia. 

Sanae Yamamoto foi um dos aprendizes que voou e fortificou a história dos animes. Após desvincular-se de seu antigo chefe, Yamamoto fundou seu próprio estúdio. Em 1925, realiza Ubasute Yama, cuja temática trata sobre cuidar dos mais idosos e necessitados.  

Yamamoto foi o primeiro a conseguir o patrocínio da Secretaria da Educação japonesa. O investimento serviu primordialmente para ele produzir conteúdo educativo, contudo. Mas, também serviu para comprovar a já crescente representatividade da indústria da animação.  

Ainda, no mesmo ano do maldito (ou bendito) terremoto, Yasuji Murata aparece. Ele era um animador que estudava as técnicas de animação de Sanae Yamamoto [antes citado]. Então, Murata ingressa na Yokohama Cinema Shokai. Lá, ele desenvolveu sua carreira profissional. 

Murata realizou diversas animações com viés educacional. É considerado o mestre da animação de recortes, que é uma variação da animação stop-motion (mesma técnica do aposentado Kitayama).  

Ligando os pontos, Murata estudou e adaptou o estilo do Yamamoto, e este, aprendeu com Kitayama.

Tudo está interligado! 

A melhoria da tecnologia e como isso influenciou a maneira como os animes foram criados

Produzir uma animação era muito trabalhoso e custoso na época. 

Por isso, a Yokohama Cinema Shokai, se colocando um passo à frente de seus concorrentes, comprou uma nova câmara de motor automático. Tal câmara não requeria movimentar uma manivela manualmente. Isso acabou por acelerar muito o trabalho dos animadores.  

O primeiro filme produzido com esta câmara foi “Kaeru wa Kaeru”, de Yasuji Murata. Sim, não precisa voltar no texto, porque é o mesmo cara que eu citei antes. 

Paralelamente aos acontecimentos na nação nipônica, nos EUA, algo vinha acontecendo. O celulóide já vinha sendo utilizado faz um tempo, desde 1914. 

Celulóide é o nome de uma classe de compostos criados a partir de uns elementos químicos aí, a que se adicionam corantes e outros agentes, formando um material termoplástico.  

Um de seus usos mais conhecidos é na indústria fotográfica e cinematográfica, na confecção das chamadas películas. Sabe aqueles rolos de filmes antigos? É daquilo que estou falando.

Porém, mesmo que o uso desta ferramenta facilite e melhore a qualidade das animações, tal material era inacessível para nossos heróis japoneses, já que o custo para importação era muito alto.  

O celulóide, usado no cinema
“Revolucionário, porém caro”

Então, como os japoneses conseguiram utilizar as películas americanas para criar animes? 

O pioneiro japonês a usar este recurso foi Kenzo Masaoka, um dos filhos de uma rica família de Osaka. Seu primeiro filme foi Nansetsu Monogatari Sarugushima

Masaoka foi também o primeiro nipônico a realizar uma animação com som.  Em 1933, Mitsuyo Catedral é contratado pelos estudios de Kenzo Masaoka

Catedral era um desenhista que se destacou pela rapidez com que realizava seu trabalho. Ele aprendeu a técnica de sonorização de Masaoka, e logo depois se tornou independente de seu chefe. 

No dia 7 de dezembro de 1941 o Japão ataca a base norte-americana dePearl Harbour. O ato deu início a sua participação na Segunda Guerra Mundial. Após isso, o exército japonês encarrega Catedral de fazer um filme-propaganda que realce os sucessos militares do Japão aos mais jovens.  

Assim, com uma equipe de cinco pessoas, Catedral realiza o filme de desenhos animados Momotaro no Umiwashi (1942), de 37 minutos de duração.

Apesar de seu descarado caráter propagandístico, o “longa” teve grande sucesso com o público infantil, engradecendo a história dos animes ainda mais e levando-a para um novo patamar…

Momotaro no Umiwashi
“Era um exército de… macacos?”

A maioria dos cineastas contemporâneos se dedicavam a fazer filmes de propaganda bélica para o exército nacional. Todavia, Masaoka realizou, em 1944, uma obra de grande poesia. Poesia esta que desviava a atenção da terrível época de guerra, chamada Kumo to Churippu.   

Por ter introduzido o celulóide nos desenhos animados e o primeiro também em realizar um filme de animação com áudio, Masaoka foi chamado de “pai da animação japonesa”.

Sorte a nossa ele ter nascido rico, pois, sem ele, como os animes surgiriam? Difícil saber.

Pós Segunda Guerra Mundial: o protagonista da história dos animes surge

Já estamos em 1945, e nesse ano o Japão perdeu a guerra, sendo derrotado junto à Alemanha (amém).  

No mesmo ano, se forma a produtora de filmes e desenhos animados, Shin Nihon Dogasha, com os mestres Yamamoto Masaoka como figurões principais (isso mesmo, ambos já foram citados aqui antes como grandes influenciadores da história dos animes). 

A nova companhia chegou a unir 100 pessoas para trabalhar no mundo da animação, e poderia ter sido o grande estopim de como animes foram criados, mas a falta de trabalho levou ao fechamento das portas da empresa logo no começo de suas operações.  

Em 1947, Murata reaparece na história e tenta um novo empreendimento, chamado Nihon Manga Eigasha, junto com Yamamoto e Masaoka. Juntos, fizeram um filme que… nem mesmo chegou a estrear (não tava fácil pra ninguém…).  

Um ano depois, em 1948, Yamamoto e Masaoka decidem se afastar da companhia que abriram com Murata, e formam uma nova, a Nihon Doga Company. E isso finaliza a brincadeira de “fechar e abrir novas empresas”. 

Na segunda metade do ano de 1950, estreia no Japão o icônico longa da Disney, intitulado A Branca de Neve e os Sete Anões. E neste momento, é que outro personagem – se não o protagonista desta história – dá as caras: o mangaká Osamu Tezuka!

Possivelmente o grande ASTRO da história de como os animes foram criados como são hoje.

A branca de neve com os 7 anoes
“Há registros que dizem que Osamu foi ao cinema assistir A Branca de Neve cerca de 50 vezes! E Bambi umas 80! ”

O primeiro anime criado para TV

Antes da ascensão da história dos animes e de Tezuka, em 22 de outubro de  1958, veiculado pela Tokyo Broadcast System (TBS), estreou A Lenda da Serpente Branca, que, além de ter sido o primeiro filme animado em cores, foi também o primeiro anime produzido especialmente para a televisão.

A Lenda da Serpente Branca, personagens se abraçando
“A Lenda da Serpente Branca tem a mitologia chinesa como temática”

Cerca de 10 anos antes da estreia da Serpente Branca, em 1947, Tezuka começou o que ficou conhecido como a “revolução do mangá”, no Japão, com sua obra Shin Takarajima.  

Sua lendária obra gerou algumas outras séries de mangá mais influentes e bem-sucedidas do mundo, tais como: Astro Boy, Kimba o Leão Branco, Black Jack e Hi no Tori. Ah, e todas produzidas por ele mesmo.  

Como os animes foram criados: o surgimentos dos animes como são hoje!

Tezuka era, e é ainda, um ídolo no Japão e sua popularidade como mangaká lhe proporcionou recursos para investir em sua própria produtora.  

Em 1961, entrou para a indústria de animação no Japão fundando o estúdio Mushi Productions, que na época rivalizou com a fucking Toei Animation.

Não muito tempo depois do término da exibição da Lenda da Serpente Branca, em 1963, foi lançado o anime de Astro Boy, pelo estúdio de Tezuka. Aqui, meu querido leitor, foi onde os anime surgiram como conhecemos, de fato.

Baseado no mangá de mesmo título, Astro Boy contém a estética de personagens de olhos grandes e cabelos espetados, elemento clássico de animes (principalmente da demografia shounen).

Ele também foi a primeira série animada da televisão japonesa com história contínua e personagens recorrentes.

Astro Boy voando pelo ar
“A felicidade no olhar de quem revolucionou o mercado”

Graças a isso, o anime do menino robô acabou tornando-se o propulsor da maior  indústria de animação do mundo. O desenho também conquistou o público dos Estados Unidos (mesmo que as animações estadunidenses fossem muito melhor produzidas, no sentido técnico). 

Tezuka deixou o cargo de diretor da Mushi em 1968 para fundar um novo estúdio de animação, o Tezuka Productions. Nele, o ídolo continuou trabalhando com animação. 

Mushi Productions entrou em colapso financeiro e as consequências viriam a criar vários influentes estúdios de produção de animação, incluindo o Sunrise (Gundam, Code Geass). 

Esse Osamu não para não?

Ainda, Tezuka procurou divulgar os quadrinhos japoneses ao redor do mundo e melhorar as relações entre os autores de diversos países.

Inclusive, foi assim que conheceu até mesmo virou amigo pessoal do cartunista brasileiro Maurício de Sousa – o cara da Turma da Mônica!  

Mauricio de Souza e Osuma Tezuka na história dos animes abraçados e sorrindo, como amigos
O Tezuka era estiloso, né!?

Após essa longa e gloriosa jornada, aos 60 anos, em 9 de fevereiro de 1989 em Tokyo, o grande e revolucionário mangaká foi internado.

Ele acabou morrendo de câncer de estômago. Anos depois, em 1994, um museu que leva seu nome foi inaugurado no Japão. Mas claro que, além de todos os títulos de renome que o autor deu vida, o legado que Osamu Tezuka deixou para a história dos animes é algo muito maior.

Respondendo a pergunta “como animes foram criados?” de maneira objetiva: ele, Tezuka, transformou os até então “normais desenhos japoneses”, nos mundialmente famosos, reconhecidos e cativantes “animes”.

Osamu Tezuka em seu escritório, com o AStro Boy na mão
“Além de ser uma lenda, era estiloso! ”

Finalizando…

E é isto pessoal! Estas são as informações sobre como animes foram criados que consegui absorver, aprender e sintetizar em forma de artigo através de alguns sites gringos e brasileiros que encontrei na internet.

A história de como os animes surgiram é bem mais longa, mas eu dei uma resumida para você de fato ler até o final.

Estou aberto a correções, já que a trajetória histórica foi grande e talvez algumas de minhas fontes possa ter me enganado. Quem sabe até eu mesmo possa ter errado. Sou chato, mas sou humano!

Contudo, reforço chequei em mais de um site justamente para tentar não passar informações erradas sobre como os animes surgiram por aqui.

Além disso, caso tenha curtido esse artigo, dá uma olhada nesse outro aqui. Nele eu falo sobre como os mangás surgiram!

Mas e aí, e para você, qual foi o ponto mais interessante desta longa caminhada da história dos animes? Eu aposto que foi o curta de 3 segundos, ou quem sabe todas as incríveis contribuições de Tezuka? 

Comenta aí e deixa o like!

Escrito por

André Uggioni

Fundador

Vendedor | Prolixo

Criciúma - SC

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!