Análise

O Marido do meu Irmão (Otōto no Otto) é bom? Vale a pena ler o mangá? | Crítica

O Marido do meu Irmão (Otōto no Otto): a qualidade na simplicidade
12 minutos para leitura

O que é indispensável para você, leitor, em qualquer obra visual? Qualidade, enredo, originalidade, batalhas? Bom, essa é uma pergunta pessoal, mas aposto que uma boa história seria a melhor resposta. E “O Marido do meu Irmão está aí para provar esse argumento.

Uma boa história não necessariamente é aquela com um trama cabeçuda, cheias de nuances, intrincadas, com plot twists que dão duplos carpados.

Pelo contrário, uma história simples, porém bem contada, pode se tornar memorável.

O Marido do meu Irmão, no original, ”Otōto no Otto”, é uma série de mangá ilustrada por Gengoroh Tagame, e publicada na revista Monthly Action, pela editora Futabasha, entre novembro de 2014 e maio de 2017 e contém.

A obra também é vencedora do prêmio Eisner de Melhor edição de material internacional – Asia, em 2018.

O autor declarou em entrevista que a intenção era fazer uma obra que conversasse com o público heterossexual, afim de quebrar preconceitos com pessoas LGBT.

Capa do volume 1 do manga O marido do meu irmão: Mike, kana e Yaichi em uma foto

Esse mangá retrata a relação entre Yaichi, a sua filha Kana, e o canadense Mike Flanagan, que casou-se com Ryoji, o irmão gêmeo de Yaichi.

A história aborda questões como homofobia e as diferenças culturais, além das relações familiares.

O Marido do meu Irmão trata de um assunto que até hoje, em pleno 2020, ainda é um tabu praticamente no mundo todo.

Como é a homossexualidade no Japão

Desde o ano de 1880, o Japão é um país que legalmente aceita a relação afetiva/sexual entre pessoas do mesmo sexo.

O Japão é considerado um país progressista diante dos padrões asiáticos. Porém, ainda a não é um lugar fácil para viver tratando-se de LGBT’s.

Não há leis de anti-discriminação no trabalho (exceto em Tóquio). Casamento entre pessoas do mesmo sexo não é permitido. Não há reconhecimento de casais do mesmo sexo. Adoção conjunta por casais do mesmo sexo é pouco provável (só há um caso no país).

A falta de acesso a fertilização in vitro para lésbicas. Homens que fazem sexo com outros homens só podem doar sangue após ficar seis meses sem relações sexuais.

Segundo dados da Wikipédia, a população LGBT no Japão com idades entre 20 e 59 anos, era de aproximadamente 8.9% (2018). Já no Brasil a média é de 7,5%, podendo variar para mais ou para menos dependendo da região.

Pessoas segurando uma faixa da Tokyo Rainbow Pride

O Japão se considera um país ”não preconceituoso”.

Porém, o preconceito não existe somente de forma direta como podemos imaginar, mas também a várias formas indiretas de preconceitos que muitas vezes consideramos normal.

E é esse ponto que O Marido do meu Irmão trata com maestria.

Para citar um exemplo, no mangá, é retratado que eles não tem preconceito contra homossexuais. Porém, eles evitam tocar nesse assunto e simplesmente ignoram esse fato e tratam essas pessoas como se elas fossem ”normais”.

E aí, isso é o certo a se fazer?

Preconceito e contradições

Logo no começo do mangá temos uma cena típica de preconceito.

Mike chega do Canadá e vai até a casa de Yachi para conhecê-lo. Entretanto, Mike não se aguenta, e ao se deparar com o irmão gêmeo do seu ex-marido se debulha em lágrimas e o abraça.

Mas Yachi, em sua cabeça, o afasta e diz ”me larga sua bicha”.

Yaichi recebendo uma abraço do mike e sendo preconceituoso

É engraçado que na função de espectador temos uma visão privilegiada de toda a cena. Acredito que essa seria a atitude de muitos.

E o autor sabe que seria.

Então, aos poucos ele insere várias situações assim para nos fazer refletir sobre, assim como Yaichi faz.

Yaichi apesar do que pareceu de início, é uma pessoa boa e bondosa. Não demora muito para ele começar a repensar suas atitudes e perceber o quanto elas são extremamente preconceituosas e infundadas.

Mike e Yaichi tomando um café sem saber o que dizer um para o outro em uma cena de o marido do meu irmao

Yaichi ama sua filha Kana, e o maior desejo dele é que ela se torne uma boa pessoa.

Mas como fazer isso tendo atitudes preconceituosas?! E é nesse dilema ético e moral que o autor de O Marido do meu Irmão nos coloca.

Digo ”nos coloca” quando você é um homem heterossexual que está lendo. Não é muito difícil pensarmos que agiríamos exatamente da mesma maneira que Yachi nas mais diversas situações.

Mas o autor de, forma sutil, vai nos guiando pelo caminho do conhecimento e da autodescoberta. Primeiro, o autor arranca nossa máscara de bom moço e legal, e nos mostra o quão homofóbico podemos ser, mesmo nós tendo a certeza do contrário.

Quer um exemplo? Você acha que só o fato de ”aceitarmos” que alguém é homossexual nos faz uma pessoa ”não homofóbica”? O autor de Otouto no Otto nos mostra o outro lado da moeda.

Não é bem assim…

Na verdade, O Marido do Meu Irmão é mais simples do que parece.

Tudo que eu falei anteriormente são camadas mais internas da obra que eu interpretei. Diferentemente do que eu fiz parecer, esse título é bem menos ”politizado” do que ele poderia ser.

A história segue por um caminho ”safe”, pouco se arriscando em temas mais profundos ou polêmicos.

O mangá é extremamente leve, ”clean”, divertido, restaurador de fé e fofinho. É uma obra feita para ser amada. O verdadeiro ”feel good mangá’.

É uma história para você recobrar a fé na humanidade. Aquela história para ler quando você estiver triste e ficar feliz.

Yaichi-Kana-e-Mike, elenco de Ototo no Otto reunido para uma selfie

Seu plot twist é tão simples, mas ao mesmo tempo tão carregado de sentimentos, que faz aparecer ninjas cortadores de cebola no mesmo instante (se é que você me entende). Brincadeira, homem chora mesmo e não há nenhum problema em você fazer isso.

Sua conclusão é tão satisfatória que a sensação que você tem quando termina de ler é a de plenitude.

O final é verdadeiro com o leitor, com os personagens e com a premissa. Não é um final perfeito, perfeito no sentido do clássico ”…e viveram felizes para sempre”. É um final real, natural.

Yaichi-missão-cumprida em O marido do meu irmao

Os personagens de Otōto no Otto

A história é curta, tanto em questão de páginas, quanto na cronologia do mangá.

Toda a história acontece apenas em alguns poucos dias, mas foi o suficiente para entregar um desenvolvimento de personagem satisfatório.

Yaichi

É o que tem o grande arco.

O autor desconstrói o personagem nos primeiros capítulos para aos poucos reconstruir seus conceitos e crenças. Entretanto, como eu disse, essa é uma obra sincera.

Então, não vá achando que ele vai se tornar um ser humano perfeito ao final da obra. Não! Ele ainda vai ter seus defeitos, mas a lição que ficou, para nós e para o personagem, é que é possível se tornar um ser humano melhor.

O-marido-do-meu-irmão-Yaichi olhando para sua sombra

Mike Flanagan

É o tipico americano (por fora). Um cara grande, musculoso e barbudo, mas que na verdade é um cara extremamente doce, correto e bom.

Ele é uma pessoa que todos gostariam de ter como amigo. Suas emoções são verdadeiras.

Mike aparenta ser alguém bem resolvido e experiente, provavelmente por conta de sua notável experiência. Afinal, é possível perceber que ele passou por muitos momentos difíceis na vida.

O-marido-do-meu-irmão-Mike de costas com uma mala

Kana

Sua função narrativa é mostrar para nós, leitores, que em algum ponto de nossa infância nos perdermos algo que dificilmente poderemos recuperar, a inocência.

O verdadeiro significado de ”o homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe”.

Kana não entende muito bem como funciona o mundo, porém ela tem a capacidade de ver quando algo é justo ou injusto.

No início, a personagem parece um pouco forçada, com diálogos muitos astutos para alguém de sua idade, mas em poucas páginas esse estranhamento passa e nos envolvemos com seu personagem

O-marido-do-meu-irmão-Kana em cima de umas comidas

Finalizando…

O Marido do meu Irmão é um mangá simples e direto.

Em tempos de intolerância, essa obra é um respiro no meio de tanta maldade no mundo. Uma história que fala sobre aceitação/autoaceitação, empatia e a luta pelo direito de ser quem você realmente é.

Para aqueles que já leram essa obra, deixa nos comentários qual foi a lição que você aprendeu com ela.

Eu aprendi que ainda falta muito para eu aprender, e que o caminho para se tornar uma pessoa melhor é uma jornada de autoconhecimento e se colocar no lugar do próximo.

E, para aqueles que não a leram, vai correndo ler e volta para me dizer se valeu ou não valeu o investimento.

Yaichi, Kana e Mike de Ototo no Otto em um navio com roupas de época
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Escrito por

Pedro Bernardes

Profissional de Educação Física

Cult | Atleta | Leitor compulsivo

Belo Horizonte - MG

Entre na conversa, deixe seu comentário!

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!
Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.