Análise

Violet Evergarden é bom? Vale a pena ver o anime? | Crítica

Violet Evergarden: a transformação do mundo caótico em amor e liberdade
13 minutos para leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Eu tenho certeza que você já ouviu falar a respeito da belíssima animação de Violet Evergarden, mesmo não conhecendo a obra em si.

A maior parte dos comentários a respeito desse anime giram em torno de sua animação e de sua trilha sonora, ambas perfeitamente executadas. Porém, minha análise de Violet Evergarden não vai ter esse foco, ok?

Imagem promocional de Violet Evergarden com os personagens principais

Acredito que Violet tem muito mais a oferecer, do que somente sua animação impecável e trilha sonora marcante. Aqui entre nós, a trilha sonora nem me chamou tanta atenção assim.

Partindo de um ponto de vista psicológico, Violet Evergarden tem muito mais a nos oferecer e nos mostrar, e ouso dizer que pode ir até muito mais além do que a própria história deixa explícito.

Ficou curioso(a) para saber o ponto de vista psicológico de Violet Evergarden?! Então vem comigo…

Conhecendo ou relembrando: do que se trata a história, o mundo e o contexto de Violet Evergarden?

Violet é uma menina de 14 anos, criada dentro do exército sendo utilizada como uma ferramenta militar e tratada como nada além de uma máquina. Não houve tratamento humanitário em relação à ela, contudo uma única pessoa foi a primeira a lhe ser gentil e a tratá-la como uma pessoa.

Seu nome é Gilbert Bougainvillea, um Major do exército. Violet e Gilbert, seu Major, estavam lutando no exército de Leidenschaftlich na guerra do continente Telesis. O continente está se recuperando de uma longa guerra, perdurando 4 anos, portanto se trata de um contexto e mundo pós-guerra.

Após o término da guerra, Violet, que perdeu ambos os braços, se recupera lentamente no hospital e depois fica aos cuidados do Ex Tenente-Coronel e amigo de Gilbert, Claude Hodgins.

Violet caminhando em uma feira de rua com traje militar

Ela não demonstra sentir qualquer tipo de dor ao começo da história, e apresenta dificuldades em entender sentimentos.

Por esta mesma razão, Violet decide que quer trabalhar como Autômata de Automemórias, para entender o que as últimas palavras de seu Major para ela significam.

Uma carta escrita por Cattleya, uma Autômata, transforma os sentimentos falados de um homem em palavras sutis. As últimas palavras que Cattleya datilografa são “eu te amo”.

Gilbert Boungainvillea sorrindo

Ao ouvir essa frase, Violet tem uma reação imediata, e logo após ela pede pelo trabalho de autômata. É, você já deve ter entendido quais foram as últimas palavras do Major que ela gostaria de entender.

Violet em busca de seguir as suas últimas ordens “viva e seja livre”…

Violet segurando suas bochechas em prol de formar um sorriso

Por crescer no exército e ser tratada apenas como uma ferramenta desde muito nova, Violet apenas obedece cegamente às ordens que lhe são dadas, não importando quais danos isso cause a si mesma. Gilbert dá a Violet suas últimas ordens: Viva e seja livre. 

Mas como ela poderia seguir ordens tão amplas e tão abertas? Como ela poderia apenas viver e ser livre? 

É através destes questionamentos que vejo Violet em sua busca de seguir suas últimas ordens. Por sua ingenuidade e dificuldade de compreensão de coisas abstratas, Violet não entende o que ela precisa fazer. Não há uma ordem diretiva. Apenas “viva”.

Violet segurando uma joia com o mesmo tom de verde dos olhos do Major Gilbert

O anime perpassa, então, a trajetória da ingênua e direta Violet na busca de viver e ser livre. A cada episódio ela consegue compreender algo diferente, ter um novo aprendizado e, assim, se desenvolver enquanto uma pessoa e ser humano de fato. 

Ao entrar em contato com outras pessoas e suas respectivas histórias e sentimentos, ela vai compreendendo o mundo a sua volta. É através desse processo de conhecer pessoas e suas histórias, que ela transforma palavras faladas em simples palavras escritas nas cartas. 

A delicadeza dessa aventura vivenciada por Violet, se contrapõe em um perfeito equilíbrio a sua trágica e pesada história. Pois sim, assuntos trágicos e pesados são abordados com uma delicadeza gigante, e riqueza tão grande de detalhes que se torna um pouco complexo entender tudo. 

Podemos vivenciar e experimentar quase as mesmas sensações que Violet, pois o enredo traça caminhos surpreendentes e conta histórias inesperadas. 

Vida, amor e liberdade em Violet Evergarden, ou melhor, para a Violet

Gilbert Boungainvillea com olhar triste e preocupado

Gilbert foi um homem perspicaz, e acima de tudo foi um homem que não esqueceu a sua condição de ser humano.

Ele enxergou em Violet uma garota, ou melhor dizendo um ser humano, assim como ele. Alguém que tem, ou deveria ter, sede, fome, emoções, vida, amor e liberdade.

Violet não tinha nem mesmo um nome. Seu nome lhe foi dado pelo Major, após observá-la admirando violetas e outras flores. Ela era realmente destratada antes pelo exército.

Não sei vocês, mas desde que assisti A Viagem de Chihiro, nomes são muito importantes pra mim. É como identificamos alguém, é como chamamos por esse alguém, e, em alguns momentos, é até mesmo o seu significado.

Violet coberta com sangue e lágrimas nos olhos no período da guerra

Mas deixando isso de lado para um outro texto, talvez de Chihiro, deu para perceber o grande descaso com Violet? E lembrando que a história se passa durante seus 14 anos em diante. Ou seja, Violet teve sua infância roubada, além de uma identidade distorcida construída para ela.

Os momentos mais emocionantes são os quais Violet deseja fazer algo, e começa a demonstrar quem ela é. O que ela sente, o que ela pensa, o que ela acredita… Enfim, quando Violet começa a conhecer a si própria na mesma medida em que conhece o mundo ao seu redor. 

Contudo, Violet não demonstra sentimentos hostis para o mundo. Apesar da forma como foi tratada e para o que foi utilizada, ela demonstra medo e angústia de ser uma ferramenta com possibilidade de em qualquer momento perder sua utilidade e ser descartada. 

A relação entre Gilbert Bougainvillea e Violet Evergarden

Violet foi negligenciada, maltratada e emocionalmente abusada desde a infância. É nos cuidados de Gilbert que ela pôde encontrar algo totalmente diferente. Gilbert a tratou como um ser humano, sendo gentil e amigável com ela por pura e simplesmente vontade de ser. 

Não tinha interesses, a não ser seu interesse em cuidar de Violet. É nesse cuidado e delicadeza que vai morar a mais forte das dores. Vamos pensar… Quando desconhecemos algo, seja bom ou ruim, não sabemos nada a respeito.

Mas no momento em que descobrimos, é impossível esquecer. Violet, que nunca havia sido tratada gentilmente antes, jamais esquecerá como foi tratada por Gilbert. E jamais esquecerá o quanto foi bom e acolhedor, de modo a sentir falta disso quando não tiver mais.

As emoções e o mundo interno da pequena Violet

Violet olhando para a sua mão mecânica

Não sei se é porque eu tenho uma visão de mundo um pouco diferente, mas desde o primeiro episódio eu senti e entendi como e porque Violet era da maneira que era.

Da sua infância até o momento onde Violet é apresentada para nós, ela foi tratada de uma determinada maneira, e essa maneira como ela é tratada molda sua conduta e sua visão de si mesma. A viagem que Violet faz durante o anime, é tanto uma viagem real quanto uma viagem interna. 

Protagonista do anime sorrindo andando em um teleférico

Viver no pós-guerra, onde não tem batalhas como as que ela estava acostumada, faz com que Violet tenha a possibilidade de se conhecer e se descobrir. Aos meus olhos ela consegue alinhar o seu mundo interno com o mundo externo, através do contexto que vivencia.

Ela é uma excelente soldado, excelente demais em tudo aquilo que faz. Violet é capaz de alinhar suas questões internas com o contexto. Ou seja, durante a guerra e sua infância (perdida para a violência), ela aprendeu a como sobreviver e a não demonstrar emoções.

Mas o que acontece quando esse contexto muda

Bom, Violet vai se alinhando com essa nova realidade de vida, através da qual ela passa a se conhecer e se entender… E se sentir. Sim, isso mesmo, se sentir. Ela passa a sentir suas próprias emoções, ter mais consciência do que já aconteceu e todos os seus efeitos (ou consequências).

O que Violet me ensinou e o que mais tem para ensinar?

Como já devem ter notado, dá pra se emocionar bastante assistindo Violet. Eu não espero nada menos de um slice of life, e este é um dos meus favoritos.

Assisti esse anime logo que lançou, o coração apertava antes de começar cada novo episódio lançado e depois que terminava esperando o próximo.

Como um bom anime do gênero, ele traz ótimas reflexões e deixa outras para serem feitas por quem assiste. Eu escrevo desde criança, é algo meu. E em Violet, as Autômatas de Automemória fazem a mesma coisa, elas escrevem cartas

Mas diferente das que eu escrevo, elas treinam e desenvolvem a habilidade de entender o que não é dito com palavras, captar as emoções de seus clientes e transformá-las em palavras.

A pequena e inocente Violet não sabe como fazer isso de imediato, falta o toque humano e sensível em suas palavras. Então, o que eu aprendi é: palavras têm um poder imenso e incrível.

Um poder tão grande que chega a ser assustador. 

Violet sentada em uma varanda com um homem, ela redigindo uma carta

Esse ensinamento sobre o incrível poder das palavras, de como podemos transformar todo o mundo caótico que vivemos e sentimos em algo diferente leva ao próximo ponto.

Ao conhecer a história de cada pessoa que cruza sua jornada, Violet aprende alguma coisa… e se a gente prestar atenção, nós aprendemos também.

São as reflexões sobre a vida, sobre como uma palavra não dita ou mal dita pode deixar ruir uma relação. Ou como uma palavra pode mudar toda uma vida. Meu ponto é: você vai sair do poder que as palavras têm isoladamente, e parte para o que fazer com elas.

Como posso dizer o quanto vale a pena assistir Violet?

Violet, pra mim, foi como viajar sem sair de casa. Foi caminhar junto com a protagonista e aprender quase as mesmas coisas junto com ela, pois eu não fui tratada como ela e nós somos diferentes.

Entretanto, essa é a delícia de assistir Violet. Afinal, você pode aprender com ela as mesmas coisas e um pouco mais. Vai de acordo com o que seus olhos enxergarem.

Violet envolta com milhares de cartas

Se ainda não ficou claro a opinião desta pessoa, eu resumo: Violet é um slice of life que vale à pena assistir. Tem mais momentos emocionantes do que dá para contar, e para escrever esse texto eu assisti alguns episódios novamente. Pois eu chorei como se fosse a primeira vez.

A delicadeza perfeitamente equilibrada com a história pesada e marcante de Violet Evergarden enchem nossos olhos, coração, mente e a nossa alma.

Escrito por

Amanda Franco

Psicóloga

Escritora | Resenhista

São Paulo - SP

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.
Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!