Análise

Fruits Basket (2019) é bom? Vale a pena ver o anime? | Crítica

Fruits Basket (2019) é o melhor e mais delicado guia de inteligência emocional
19 minutos para leitura

Fruits Basket (2019) parece apenas outro romance escolar com história sobrenatural e mística, mas te garanto que é muito mais! É um anime lindíssimo, com excelente trilha sonora e incrível desenvolvimento da história. Leia o artigo ouvindo a trilha sonora:

O anime tem uma construção muito bonita e simbólica das relações entre os personagens. Por isso é um anime divertido ao mesmo tempo em que é encantador e delicado, além disso ele entrou no meu top 5 animes favoritos. Mas, por que eu escolhi Fruits Basket (2019) e não a versão anterior?

Bom, a versão de 2019 é a adaptação completa da obra, tem três temporadas e um total de 63 episódios e, sim, vou falar da obra como um todo. Isso faz com que você assista o começo, o meio e o fim da história, assim não tem pontas soltas e você consegue ter uma compreensão muito mais ampla de toda a história (e do que eu vou falar aqui)!

Honda Tooru sorrindo ao nascer do sol em Fruits Basket

Se você tem curiosidade sobre como funciona as relações humanas (saudáveis e abusivas), interações sociais, como as emoções e pensamentos afetam nossa forma de agir, como que tudo isso é na prática do dia a dia…

Fruits Basket (2019) é o melhor anime que você pode assistir, e ele ainda pode te ajudar como um guia na compreensão da inteligência emocional! As situações que aparecem no anime, com certeza você também passa, já passou ou vai passar, pois tudo que o anime mostra são experiências universais.

Sem mais delongas, vem comigo entender isso tudo com calma!

Poster da primeira temporada de Fruits Basket
  • Gênero: Slice of Life, Comédia, Sobrenatural, Drama, Romance, Shoujo
  • Estúdio: TMS Entertainment (Kamisama Hajimemashita, Orange, Dr. Stone)
  • Material fonte: Mangá
  • Episódios: 3 temporadas, 63 episódios
  • Página do anime na Cúpula e no MAL

Mas antes, o que é Inteligência Emocional e como posso ver isso no anime de Fruits Basket (2019)?

A Inteligência Emocional se refere a compreensão e administração das emoções, tanto nossas quanto dos outros. Ou seja, parte do princípio de conhecer e entender as emoções para administrar as reações.

Por isso, a inteligência emocional se baseia em quatro pilares, que são o autoconhecimento, a autogestão, a consciência social e a gestão de relacionamentos. Então, são dois pilares que se voltam para a própria pessoa e dois que apontam para fora, ou seja, para as outras pessoas.

Em Fruits Basket (2019) não tem uma explicação desse conceito de forma explícita, eu tracei esse paralelo e pude observar muitas coisas enquanto assistia. Entretanto, durante os episódios existem diversos diálogos ou até mesmo reflexões da nossa pequena personagem principal, Honda Tooru, que remetem a inteligência emocional (e muitas filosofias para você levar para vida)!

Imagem de Tooru e Kyo em cima do telhado observando as estrelas no céu

Então, esse artigo vai te ajudar a assistir o anime com um olhar diferente e perceber como as coisas funcionam na prática. Com foco na personagem principal, ela é quase uma psicóloga dos meninos da família Souma, e essa família tem alguns (muitos) problemas.

Assim, Tooru se torna o pivô de inúmeras mudanças na vida e na rotina da família Souma, inclusive se torna a única humana em convívio com a família e com o segredo deles. O segredo dos Souma é que eles se transformam nos animais do zodíaco chinês quando tocados por pessoas do sexo oposto, então é como se eles não fossem pessoas, mas sim divindades ou espíritos.

O fato de Tooru não fazer parte da família Souma e conhecer seu segredo, torna tudo intrigante e é exatamente o que faz dela essa quase psicóloga. Sendo uma pessoa que está do lado de fora da situação da família, ela consegue ter uma visão bem diferente e mais ampla.

Reflexões sobre a vida e a família com Honda Tooru

A Tooru é nossa personagem principal super fofa, empática e acolhedora. Por tudo isso, ela consegue trazer pontos de vista diferentes sobre as relações familiares para os Souma. É muito incrível e lindo de assistir a delicadeza com que se trabalham os temas complexos como abuso familiar, compreensão das emoções, amizades, ambições e desejos para o futuro, aceitação de si mesmo e vários outros.

Mas o que mais me chama atenção envolve as relações familiares que os envolvem e o quanto isso tem relação com estado emocional dos personagens. De modo geral, Tooru teve uma vivência familiar muito feliz e saudável desde a infância, e de forma trágica ela acaba perdendo sua mãe (única responsável viva que ela possuía até então).

Imagem de Fruits Basket com a mãe da Tooru a abraçando quando ela era criança

Após a morte de sua mãe, ela decide se virar sozinha e depois acaba passando um tempo na casa de Shigure Souma, junto com Yuki e Kyo Souma. Embora pudesse ter a ajuda do seu avô (pai da sua mãe), em algumas situações percebemos que aquele ambiente não a faz bem e que, na verdade, estar com a família Souma era melhor para ela. Além de ser o que ela queria.

O anime também consegue captar muito bem esse aspecto de autonomia e escolhas de cada personagem, e te faz entender que você é o único responsável pela sua própria vida e em como vivê-la. Por isso, a obra é linda de se acompanhar, pois é com calma e delicadeza que esses pequenos detalhes vão compondo toda a história.

Relações familiares em Fruits Basket (2019)

A família Souma tem diversos problemas, mas eu vou focar no principal que é o relacionamento abusivo entre seus membros. Existe uma segregação familiar entre aqueles que são ou possuem alguém que é a reencarnação espiritual de um dos zodíacos e aqueles que “servem” a essa família principal.

Mas já não bastasse essa divisão, ainda temos um segundo círculo que os dividem. Existe a reencarnação de Deus e dos doze zodíacos, e todos eles juntos estão reunidos por laços inquebráveis. Dessa forma, Deus opera a seu bel prazer em relação aos espíritos.

Poster da temporada final de Fruits Basket
A representação dos laços no poster da temporada final!

Contudo, mais ao final da obra, você descobre que a história não é bem assim e que Deus não agiria dessa forma. Mas o que aconteceu, então?

Foi justamente essa pressão externa e interna por serem as reencarnações divinas que eles acabaram se perdendo dentro dos papéis que representavam, de modo que a individualidade ficou perdida.

No começo, quando todos eram crianças, eles possuíam um relacionamento bem diferente. Porém, as coisas se complicaram e Akito (Deus) tornou-se uma pessoa horrenda que causou traumas a quase todos os espíritos do zodíaco.

Não é igual para todo mundo, cada um sente de uma forma

Cena de Fruits Basket com Akito Souma fazendo um olhar feroz
Akito, o demôn… digo, Deus.

As vontades de Akito deveriam ser obedecidas, do contrário haveriam consequências. Inclusive, é muito perceptível que um mesmo evento causa diferentes reações em cada um deles. Kyo, por exemplo, é o espírito do Gato e os outros o tratam com desprezo.

Por isso, sua reação emocional e física é agressiva, volta-se para a defesa e ataque ao mesmo tempo. Assim como ele, os outros espíritos não são 100% os favoritos, e cada um possui seus próprios dilemas em relação a família. Porém, alguns possuem uma reação de maior medo, outros de maior agressividade, outro ainda até possuem uma reação passiva ou indiferente.

Cena de Fruits Basket do olhar feroz e agressivo de Kyo onde seus olhos estão iguais aos de um gato

A entrada de Tooru começa a causar mudanças nesses comportamentos que eles aprenderam desde a infância, pois ela passa a questionar algumas coisas e a expor sua opinião sobre diversos aspectos familiares.

De modo geral, Tooru “usa” a técnica de auto revelação (revelar algo de si mesma em prol de um objetivo para ajudá-los) ao abordar os problemas familiares dos Souma, e isso faz com que eles comecem a sair da inércia e dos padrões comportamentais.

Esses padrões foram condicionados desde a infância, de acordo com as situações que cada um vivenciou. Ou seja, são padrões diferentes para cada personagem ali, na tentativa de lidar com as próprias emoções e os riscos vividos.

Mudança de pensamentos e aumento da inteligência emocional em Fruits Basket (2019)

A inteligência emocional envolve, em resumo, identificar as próprias emoções, administrar as reações emocionais, identificar as emoções das outras pessoas e administrar o relacionamento que temos com elas. Em Fruits Basket (2019) é possível ver todos esses aspectos, mas preciso avisar que nem sempre segue essa ordem e podem se misturar.

No anime, os personagens passaram por situações difíceis ao longo da vida e desenvolveram uma forma de lidar com isso e “seguir em frente”. Enquanto seres humanos, nossa tendência natural é a adaptação para sobreviver ao meio em que estamos. Nesse sentido, vou explicar isso um pouco melhor, mas só vou usar os três personagens principais como exemplo, ok?

Vamos pegar Yuki Souma, o espírito do Rato, a Honda Tooru e o Kyo Souma (espírito do Gato). Yuki tem um comportamento mais evitativo, ele evita conflitos e suas próprias emoções a todo custo.

Tooru é quem possui comportamentos mais adaptativos, mas também tem algo forte de auto sacrifício, dificuldade em expor as próprias emoções (ela representa até que bem o que é ser psicólogo né?).

Kyo e Tooru se abraçam ao entardecer em Fruits Basket
Esse momento é especial para Tooru, ao falar de si mesma!

Por fim, Kyo se comporta de maneira mais agressiva, se mantendo na defesa e no ataque em relação as outras pessoas de forma a também evitar um contato mais próximo.

Mas o que uma coisa tem a ver com a outra? Bom, nossas reações emocionais são físicas e comportamentais, e elas acontecem depois que sentimos e pensamos (interpretamos) sobre uma situação.

Toda emoção tem uma reação, mesmo que não seja agradável

Para entender melhor, toda emoção tem uma reação, mesmo que ela não seja agradável. Ou seja, não é a situação em si que vai determinar a reação, mas como a pessoa interpretou aquela situação (pensamentos e sentimentos). Dessa forma, o que vemos no anime é uma mudança e uma interrupção do fluxo de pensamentos e sentimentos.

Por isso, no decorrer da história o Yuki, a Tooru e o Kyo (e também os outros personagens) modificam o padrão comportamental que possuíam ao desenvolverem inteligência emocional. Pois não basta apenas identificar, isso faz parte do processo, mas não é o todo. Além de entender as emoções e reações próprias, eles precisam mudar a atitude em si.

Em diversos momentos, os personagens se convidam a ter uma reação diferente e isso fortalece a sua autoestima, como eles se enxergam e aí facilita essa mudança de reação em outras situações que acontecem na vida. Inclusive, a forma com que eles se enxergavam influenciava bastante em como eles reagiam.

Imagem de Kyo, Yuiki e Shigure Souma se alimentando com Tooru

Por exemplo, Kyo quando se transforma em gato, em sua forma original e verdadeira, não é agradável aos olhos e ao olfato. Isso faz com que ele use um amuleto para se transformar em um gatinho fofo, mas que aumenta sua insegurança diante de muita coisa (especialmente diante da garota que ele estava se apaixonando).

No momento em que revelações acontecem, Kyo percebe o que ele realmente sentia com o amuleto e o que ele queria de verdade da sua mãe quando era criança. Não vou dar mais spoilers do que isso, mas fica a reflexão dos pensamentos de Kyo quando ele se compreende.

Parafraseando, ele diz “queria que me olhasse e dissesse que me amava, mesmo que não gostasse de tudo, pois isso significaria que ao menos estaria me olhando por inteiro de verdade”.

Tooru abraçando Kyo e com olhos cheios de lágrimas

Criar novas relações ou recriar relações antigas?

Um aspecto muito interessante no anime de Fruits Basket (2019) é que parte da solução dos problemas é criar novas relações, mais saudáveis. Mas, ao mesmo tempo, outra parte da solução é recriar as relações que já existiam. Eles conseguem realizar essas duas coisas por conta do desenvolvimento da inteligência emocional e pela mudança de seus pensamentos e crenças.

Ou seja, quando eles se permitiram e passaram a se conhecer melhor (e isso envolve entender as emoções, os gatilhos, como está reagindo atualmente, etc), conseguiram alterar a forma de administrar melhor a emoção e o comportamento.

Através desse entendimento e dessa mudança, eles avançaram para a compreensão das emoções das pessoas ao seu redor e, por fim, na modificação da relação que possuíam com elas.

Imagem com Honda Tooru e Shigure, Yuki e Kyo Souma em sua casa

Contudo, não existe ali uma necessidade compulsória de fazerem as pazes de forma rápida um com o outro ou de reatar relações familiares. Lembram sobre a autonomia e escolhas? Cada personagem ali faz suas próprias escolhas, avaliando o que era importante para eles.

Por isso, não fica algo forçado, mas algo que foi natural e que vai se construir devagar. Mas é claro que, na vida real, também não há necessidade de ser dessa forma, e encerrar vínculos ou cortar laços fazem parte. Ainda assim, seja recriar uma relação, criar uma nova ou cortá-la são processos que podem ser difíceis e isso também aparece em Fruits Basket (2019).

Fruits Basket (2019) é simples e delicado, mas direto ao ponto

Imagem de Honda Tooru com as mãos juntas em oração em um cenário repleto de flores rosas

Para finalizar essa análise e crítica sobre Fruits Basket (2019), ressalto que tem muita coisa incrível que você pode aprender ao assistir. Então, a recomendação é de que você assista, pois vale muito à pena.

Embora seja um anime de romance, shoujo, leve e muito gostosinho de assistir, essa obra é capaz de oferecer muito mais do que “apenas” isso. Pegue seu lencinho se for mais sensível, esteja de coração aberto e assista o anime com esse olhar do desenvolvimento da maturidade emocional dos personagens.

Pois, Fruits Basket (2019) te proporciona momentos incríveis de simplicidade, leveza e delicadeza misturados de forma graciosa com questões muito importantes da vida, nossas emoções e nossa forma de nos relacionar com os outros!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Escrito por

Amanda Franco

Psicóloga

Escritora | Resenhista

São Paulo - SP

Entre na conversa, deixe seu comentário!

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!
Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.