Análise

Monster X Monster é bom? Vale a pena ler o mangá? | Crítica

Monster X Monster é interessante, mas não é um Hunter X Hunter!
11 minutos para a leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Sabe aqueles mangás que você compra sem saber de absolutamente nada da história, mas que a capa te chama a atenção? Este foi o meu caso com Monster X Monster.

Quando iniciei o primeiro volume desse mangá, que foi escrito por Nikiichi Tobita e finalizado em três volumes pela Editora Panini, acreditei ser uma história perdida, com personagens desagradáveis, a começar pelo próprio protagonista de Monster X Monster.

Contudo, quando iniciei a leitura do volume dois, a história e os personagens foram tomando mais forma e me cativando gradativamente.

mangá monster x monster

Eu não sei ao certo o motivo da história ter fechado em poucos volumes, uma vez que o próprio Tobita faz alguns comentários relacionados com a quantidade e também com o término de seu mangá. Isso dá a entender que não deveria ter sido assim, entretanto acabou sendo.

O fato é que a história é interessante. Claro que alguns pontos claramente foram rushados devido a questão da quantidade de volumes. Sobretudo, dá para se tirar uma boa lição de moral desta história. Embora seja uma crítica, irei enveredar por um caminho sem spoilers.

foto dos mangás de monster x monster

Será um tanto quanto difícil, já que a história em si é bastante curta, mas eu tentarei ao máximo não expor nada que possa influenciar negativamente a experiência de vocês na leitura, caso tenham interesse em lê-lo futuramente.

Do que se trata Monster X Monster?

A história de Monster X Monster se passa num período onde os monstros dominavam o mundo. Eis que então surgem pessoas que decidem bater de frente com eles e assim erguer novamente o orgulho da humanidade. Essas pessoas são chamadas na história de “Coletores”.

Surge, então, a Era das Grandes Caçadas. Quando os humanos perceberam que era possível enfrentar esses monstros e derrotá-los, chegou o grande divisor de águas para o mundo. Os monstros, que antes eram temidos, tornaram-se uma espécie de base para a economia e trabalho das pessoas.

página do mangá monster x monster

Neste ponto que entram os Coletores, que possuem o trabalho de ir a campo, enfrentar estes seres e coletar partes que são consideradas mais importantes para o comércio, seja para produção de armamento, criação de medicamentos, ou para outras coisas mais.

Em síntese, é isso que você precisa ter em mente caso tenha interesse de conhecer um pouco mais a fundo o mangá Monster X Monster. Para alguns, só esse resumo já vale a leitura, mas caso você seja a outra parcela que precisa de um pouco mais de informação, continuemos.

Os protagonistas de Monster X Monster

Monster X Monster é um bom mangá. Logo de início, já deixo isso bem escrachado. A história não tem um teor muito imersivo, mas vale a pena a leitura.

Entretanto, anteriormente eu havia comentado o fato de Monster X Monster possuir apenas três volumes. Talvez isso tenha sido um fator importante para justificar o porquê dos personagens não chamarem tanto a atenção ou mesmo trazerem a tona aquela sensação de identificação.

Eu, particularmente, não consegui me sentir atraído por nenhum personagem, nem mesmo pelo protagonista.

personagens da trama

Diferente de muitas histórias, e confesso que isso foi interessante, o nome do protagonista de Monster X Monster é divulgado somente no final do volume dois.

E ele, como um personagem da demografia shounen, possui uma característica marcante: quase sempre estar com o dedo no nariz.

Uma peculiaridade bizarra, no mínimo, mas que dá aquele tom de originalidade para o personagem. Não bastado, ele é um NEET (pessoas que não contribuem para a sociedade e não estão tentando se habilitar a contribuir). Ele passa seus dias trancado em seu quarto, jogando.

característica do personagem

Sabemos que existe uma espécie de construção estereotipada de protagonistas dentro dessa demografia. Embora ele tenha muitas delas, ao mesmo tempo também é original, o que é diferente e bacana.

Abrindo um parenteses para comentar sobre o protagonista

Por se tratar de um homem de quase 30 anos, que não ambiciona absolutamente nada e sempre dá perdido na mãe quando ela manda ele ir atrás de emprego, talvez tenha sido um motivo em potencial de me fazer não curtir a história inicialmente.

pensamento do protagonista de monster x monster

Mas, como já mencionado, bastou chegar ao segundo volume da história para as coisas começarem a fazer mais sentido e irem se encaixando. Então adianto, caso você sinta vontade de ler, o plot começa a realmente ficar interessante a partir do segundo volume.

O foco real do mangá

Embora a abordagem principal seja sobre a luta entre os monstros e os humanos, isso não é de fato o que o mangá deseja passar como prioridade. Imagine essa questão da guerra apenas como uma informação. O foco em Monster X Monster é o protagonista e seu desenvolvimento pessoal.

É um pouco complicado falar sobre isto, pois levaria a desencadear uma série de eventos necessários para justificar quem ele era, porque era e o que veio a se tornar e, sobretudo, o motivo da mudança.

Tratando-se de desenvolvimento, sabe-se que sempre há uma grande dificuldade, às vezes intrapessoal, às vezes interpessoal. Esses complexos fazem com que a pessoa em muitos dos casos desista das coisas e, quiça, de si mesmas. Pode-se dizer que esse é um dos casos do protagonista.

contrução de caráter

Em um determinado momento da história, o protagonista passa por um árduo processo de amadurecimento, isso acompanhado de uma grande tragédia que o faz abrir os olhos para a vida.

Este treinamento visa aperfeiçoar suas habilidades e também fazer com que ele ganhe mais confiança em si mesmo para enfrentar as intempéries da vida. Indubitavelmente, esta é a parte que mais faz valer a ideia de desenvolvimento de personagem neste enredo.

Todavia, ao mesmo tempo que o mangá acentua essa questão de desenvolvimento pessoal e interpessoal, ele não mantém essa ideia. É quase como um paradoxo. Enquanto ele consegue passar uma ideia valorosa, ele também a exclui totalmente. Talvez uma crítica de que, na verdade, nada realmente muda a essência de alguém.

Presas da Maldição

Essa que foi uma das grandes promessas de antagonismo, pouco teve lugar na história de Monster X Monster. Nos poucos momentos que a organização surgiu no mangá, foi criando o completo caos. A ideia era interessante, mas, reiterando, o tempo foi curto para poder desenvolver.

Sempre no intuito de tomar o reino e fazer tudo conforme seu bel prazer, a organização tramou um plano “perfeito” para concretizar este objetivo. Devo admitir que a ideia era realmente boa e causou uma animação, entretanto a execução foi péssima, sendo fadada ao fracasso.

Assim como muito dos personagens estiveram presentes para compor a vida do protagonista, a Presas da Maldição também foi uma ponte para a transformação do caráter (ou quase isso) do personagem principal. Não era como se fossem objetos de suma importância, mas sim uma base para algo.

Não podia faltar em Monster X Monster

Claro que um personagem intitulado de fracassado e viciados em jogos talvez de caráter duvidosos, seria um completo tarado. Por isso, em muitos momentos, o fanservice é liberado.

fanservice em monster x monster

Seja nos momentos em que o personagem começa a devanear sobre seus pensamentos obscenos, até nas ocasiões onde ele cria uma situação para poder se aproveitar das mulheres.

Finalizando…

Como trabalhado desde o início do texto, o mangá não é incrível, mas também não deixa de ter uma boa história que valha a pena ser conferida. No geral, ele é bom. Além disso, por possuir apenas três volumes, é uma leitura rápida.

A questão dos personagens e da organização não terem sido muito avançadas, principalmente a organização, foram fatores que me deixaram um tanto insatisfeito, porém o que foi exposto não é ruim.

Com certeza Monster X Monster não foi uma de minhas melhores e mais envolventes leituras, mas de uma certa forma valeu o dinheiro e o tempo que foram investidos nele.

Escrito por

Welerson Silva

Quase Jornalista e Escritor

Youtuber | Escrita cabeçuda

Brasília - DF

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Ir para o topo