Em nossas RegrasDe3, os autores assistem os 3 primeiros episódios de um anime novo lançado na respectiva temporada. Após isso, eles escrevem uma análise sobre esse começo da obra, sendo uma espécie de primeiras impressões. Fique atento: a RegraDe3 é uma visão baseada APENAS nesses 3 primeiros episódios, NÃO sobre o anime inteiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Seven Knights Revolution: Eiyuu No Keishousha se passa em um mundo onde eras atrás valentes heróis lutaram contra as forças da “Destruição”. Enquanto seus feitos se tornaram lendários, o poder desses heróis foi mais tarde herdado por “sucessores” que lutaram para proteger o mundo.

Um dia, Faria, um sucessor dos Sete Cavaleiros, salva um garoto comum chamado Nemo das forças da Destruição. Durante a batalha que se seguiu, Nemo invoca o poder de um herói e também se torna um sucessor.

No entanto, o herói de Nemo é um estranho que é desconhecido na história e, portanto, uma jornada épica onde o passado e o presente se chocam tem início. A sinopse me pareceu interessante, mas a história é bastante superficial. Após três episódios ainda não sabemos de absolutamente nada direito, sequer o nome desse herói misterioso e “desconhecido”.

Além disso, este herói não parece tão desconhecido assim, uma vez que alguns personagens – aparentemente – importantes depositaram suas esperanças de vencerem o mal e serem salvos em cima de Nemo.

Imagem promocional do anime Seven Knights Revolution
  • Gênero: Ação, Aventura, Fantasia, Magia
  • Estúdio: LIDENFILMS, domerica
  • Material fonte: Jogo
  • Episódios: indefinido
  • Novos episódios: Segunda-feira
  • Página do anime (na Cúpula) (no MAL)

Seven Knights dá pra assistir, mas não é tão bom assim

Tive esperanças com relação a Seven Knights, pensando que poderia ser parecido com a saga de Fate. Aliás, uma saga que é meu xodó, diga-se de passagem. O trailer não foi lá essas coisas, não me chamou a atenção, mas por ordem do destino (vulgo sorteio aqui da cúpula) fui assistir.

Os episódios são bem clichês, embora melhorem um pouco a cada um. Mas, ainda é um anime que dá pra assistir, matar o tempo, tirar o tédio.

Ele é clichê, pois é mais do mesmo de animes desse gênero e avançam rápido demais em uma história perdida e confusa. O primeiro episódio, por exemplo, começa com monstros atacando vilas e matando pessoas. Em seguida, surge a heroína que consegue salvar Nemo.

Faria com sua sucessão Eunomia

Enquanto estavam indo de trem em direção à escola Granseed, onde Nemo é calouro, outro monstro os ataca. E, claro que, a heroína que salvou o dia poucos minutos atrás se torna, de repente, incapaz de lutar e vencer.

Então, também de repente, surge o poder de sucessão de Nemo, totalmente decisivo para resultado favorável da batalha. Com o detalhe de que não estava com sua sucessão 100% completa!

Contudo, eu achei ruim a forma como fizeram isso. Não estou falando sobre a animação ou a trilha sonora, acho que ambas conseguem andar lado a lado em pé de igualdade e qualidade. Aliás, curti bastante a opening e a ending do anime.

Porém, me volto na questão de avançar rapidamente na história que, por sua vez, é superficial e não te dá o suficiente para entender o mundo no qual eles estão inseridos. Acredito que erraram em dois pontos importantes: worldbuilding e suspensão de descrença.

Nemo com Faria em seu colo após o começo de uma luta

A construção de mundo em Seven Knights é fraca e te faz querer desistir

Embora dê para perceber que a construção de mundo em Seven Knights seja no estilo bottom-up (um pedaço do mundo que nos dão, de modo a ser suficiente pro desenvolvimento da história), me senti perdida e confusa assistindo.

Para que vocês entendam, a minha sensação é de que o segundo episódio poderia muito bem ser o primeiro. Pois também parece que está sendo o começo da história e não ela já em desenvolvimento, e o primeiro episódio poderia nem existir.

Nemo com a armadura e poder do herói desconhecido

Este segundo episódio foi melhor que o primeiro, mas ainda caiu no clichê e previsibilidade. Novamente, Nemo salva o dia e, pasmem, ainda mais poderoso do que antes (com um total de zero treinamento e preparo), pois agora sua sucessão está completa.

Como eu disse antes, seu herói é um estranho e desconhecido, e mesmo assim, ele fica mais poderoso – do nada – e é colocado nele a esperança de salvação.

Posso estar errada, e só saberei se assistir o decorrer da história toda (o que eu não garanto!). Entretanto, ainda parece mais uma história onde o personagem principal vai ser o herói anti-herói, colocando em xeque-mate o sistema atual de segurança mágica utilizado pela Granseed e ainda resolver o problema das trevas.

Nemo: tá faltando um pouco de sal e tompero aqui

Sim, ele é o personagem principal e, sim, esperamos que ele salve o mundo. Contudo, já estarem entregando tudo nas mãos dele e de seu herói desconhecido é muito chato. Especialmente pelo fato de Nemo ter uma personalidade nada atrativa, sem sal.

Nemo, personagem principal sentado e olhando sua carteirinha de estudante da Granseed

Como personagem principal, eu esperava mais. Talvez por ter costume de assistir animes com personagens mais marcantes, diretos, e até mesmo agressivos, Nemo não me agradou. Ele é tímido e tem baixa autoestima. Por isso, sempre desvaloriza a si mesmo e suas ações, o que se torna incômodo.

O incômodo é tanto, que os próprios personagens secundários vivem dando um sacode em Nemo. E embora o coloquem como ingênuo e vulnerável, pelos próprios Cavaleiros, no meu ponto de vista não considero que ele seja assim. O que ele tem são questionamentos a respeito da vida, do quanto uma vida vale, sendo muito perspicaz.

Nemo e Joe, cavaleiros de Granseed
Esse é o Joe, ele vive dando uns sacode em Nemo

Ele é perspicaz, pois quase no mesmo instante em que Faria, líder dos Sete Cavaleiros, fala que nada vale mais que uma vida e Joe, outro Cavaleiro, aparece com um dragão das trevas que ele matou, Nemo questiona “mas isso não é uma vida também?”.

Não tem nada de muito ingênuo ou vulnerável, pois seu poder de sucessão despertou logo em sua primeira batalha e quando se trata de lutar, ele não hesita.

Nemo é coerente com sua personalidade e suas ações, mesmo que não pareça

Não consegui simpatizar com o personagem principal. Contudo, ele é coerente, um fato inegável. Ele é o cara “ingênuo e vulnerável” com baixa autoestima que parte pra luta sem hesitar. Porém, esse partir pra luta sem hesitar é justamente pela sua personalidade como ingênua e vulnerável.

A meu ver, colocam Nemo como ingênuo e vulnerável pelo fato dele fazer questionamentos, como os que citei no tópico anterior. Pois é quase, ou literalmente, questionar o modo de agir do sistema atual e suas regras.

Nemo, também demonstra um excelente raciocínio lógico, de maneira rápida. A sua coerência nos momentos em que parte para luta provém disso. Ele traz questionamentos interessantes sobre a vida, e pensando na defesa de seus novos e recentes amigos, não pensa muito antes de usar seu poder.

Entretanto, por seu excelente raciocínio lógico, ele não se torna um fardo na luta, mas consegue dar suporte. E, a partir do segundo episódio seus questionamentos nos deixam com um ar de “o que será que ele vai fazer?” e “será que ele é um dos mocinhos ou um dos vilões?”.

Joe e Gildan com suas sucessões
Joe e Gildan, dois dos Sete Caveleiros

No terceiro episódio, confesso que me senti intrigada para assistir Seven Knights até o final (olha eu já pagando a língua!). Tendo um maior foco nos personagens, suas histórias e seus respectivos heróis, o terceiro episódio chama mais a atenção pro anime e pro que ele quer contar de fato do que todo o resto.

É aqui onde você começa a entender como funciona esse mundo, esse pedaço que nos mostram. Por isso, e por focar no desenvolvimento de alguns personagens, o terceiro episódio é o único interessante. A gente começa a sentir empatia pelos personagens, raiva de outros e, enfim, começa a se relacionar com a história.

Concluindo: Seven Knights é superficial, um pouco confuso e fácil de esquecer, mas dá pra assistir

Imagem com os personagens secundários do anime com Joe no lado extremo esquerdo seguido de Gildan e Gareth, com Faria ao centro seguida de Ellen e Shirley Seven Knights

Concluo minhas primeiras impressões, e minha primeira Regra De 3, reforçando que achei o anime ruim, superficial, um pouco confuso e acima de tudo fácil de esquecer. Ele é aquele anime que poderia ser MUITO bom, mas ficou ruim.

A historia poderia ser melhor se falassem, ou apontassem, que Nemo possui as qualidade para ser um Cavaleiro (como a pureza de coração) e, por isso, conseguiu seu poder rápido e com facilidade.

O que mais chama atenção é que ao fim dos três episódios, você consegue se perguntar será que as pessoas de Granseed são os mocinhos da história e será que os monstros são os vilões mesmo?. Pois estes parecem ser os questionamentos que vão começar a pipocar na cabeça de Nemo!

Talvez pela história ainda estar superficial, para mim, e por não me cativar logo de primeira, Seven Knights não entra na categoria de animes memoráveis (e tenho ousadia de dizer que nem na categoria de bom)!

Nemo e Faria, ambos virados para a esquerda contemplando nascer do sol Seven Knights
Olhando o que poderiam ter sido e não foram ;p

Dava para explorar e aprofundar a história, os personagens e melhorar a construção de mundo logo no comecinho… Mas enfim, nem tudo é como a gente gostaria.

“Ah, mas pode ser que fique melhor, né?”. Justo, um bom ponto. Pode ser, quem sabe eu assista até o final e faça uma crítica mais elaborada comprovando ou – provavelmente – não essa teoria!

Escrito por

Amanda Franco

Psicóloga

Escritora | Resenhista

São Paulo - SP

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.
Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!