Em nossas RegrasDe3, os autores assistem os 3 primeiros episódios de um anime novo lançado na respectiva temporada. Após isso, eles escrevem uma análise sobre esse começo da obra, sendo uma espécie de primeiras impressões. Fique atento: a RegraDe3 é uma visão baseada APENAS nesses 3 primeiros episódios, NÃO sobre o anime inteiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Sk8 the infinity é um anime dos animes originais da temporada de inverno e sem dúvidas vai deixar uma marca no ano de 2021.

Nem irei ficar com lenga-lenga fazendo mistério se é ou não é bom. Sk8 the Infinity até o momento é impecável e se você não começou a assistir, nem precisa ler essa RegraDe3, apenas vá lá e divirta-se, o anime é FODA!

Mas, como apenas eu dizer que é foda possa não ser o suciente, tentarei te convencer até o final desse texto que SK8 the Infinity é provavelmente um dos melhores animes do ano.

Mas antes de mais nada, vamos a uma ficha técnica rápida do anime:

Lega e Reki segurando seus skates na frente de um muro pixado SK8 the infinity
  • Gênero: Comédia, esportes
  • Estúdio: Bones
  • Material: Original
  • Episódios: 12
  • Novos episódios: Segunda-Feira
  • Página do anime (na Cúpula) (no MAL)

Sinopse

A história acompanha Reki, um garoto que adora skate e acaba se envolvendo no “S”, um corrida clandestina sem regras que acontece em um mina abandonada.

Nessa corrida, Reki, conhece Langa, um jovem que voltou do Canadá há pouco tempo e também acabou sendo arrastado para o “S”, mesmo nunca tendo andando de skate antes. Os dois então começam a participar de diferentes competições, enfrentando os mais variados tipos de oponentes.

Diversão é a palavra que mais define esse anime, não apenas ela, mas também estilo, qualidade, emoção e principalmente originalidade.

E ouso dizer que os idealizadores de SK8 the Infinty foram muito felizes em “fantasiar” essa história, pois, se o anime tivesse um “tom” mais sério, com manobras mais plausíveis e corridas reais, talvez não teríamos algo tão mágico quanto o que temos.

Não vou entrar em nenhum spoiler nessas primeiras impressões, pois os acontecimentos foram tão surpreendentes para mim, que tentarei ao máximo não minimizar sua experiência.

O melhor primeiro episódio dos últimos tempos

Puta que pariu! Fazia muito tempo que eu não me sentia tão impactado por um anime novo, isso sem contar que foram apenas 20 minutos para tal feito.

Mas, vou te contar que os primeiros 10 minutos não foram tão incríveis assim. Sk8 the Infinity começa parecendo um anime shounen padrão. Um personagem que ama algo e quer ser o rei dos skatistas ou algo do tipo.

Mas, é ai que entra a magia da história original de não termos ideia de absolutamente nada e nem que rumo a história irá tomar, e de fato, eu não esperava por esse desenrolar absurdo.

A história toma um rumo que ninguém espera, e o mais legal de tudo, é que você compra a ideia. Uma ideia que a princípio parece absurda. Dois mundos tão distintos mas que ao mesmo tempo são tão similares e convergem para um estilo único.

Isso tudo rende uma cena muuuuuuito empolgante.

Langa fazendo uma manobra de snowboard no skate Sk8 the infinity

Quando tudo acabou, e me dei por mim, eu estava grudado na tela, segurando o ar e em um estado de euforia.

Se eu falar qualquer coisa além disso, será spoiler. Mas, pode ter certeza que o conceito da corrida “S”, um corrida clandestina e sem regras é algo muito interessante e até agora tem gerado momentos épicos.

Os personagens de SK8 the Infinity

Não tem como falar de SK8 the infinity e não falar dos personagem. Vamos começar pelos protagonistas:

Reki

Reky fazendo um ollie em seu skate

É o típico protagonista de shounen. Inabalável, sociável, odeia injustiça e acima de tudo é uma pessoa obstinada. Mesmo com todas essas qualidades, seu forte não está em andar de skate e sim em fabricá-los.

Langa

Langa fazendo uma manobra no seu skate

Langa é um estudante transferido do Canadá. Ele é quase que o oposto do Reki; introvertido, de poucas palavras, porém ele guarda uma paixão ardente em seu coração que promete romper qualquer barreira.

Reki e Langa são as estrelas do show chamado SK8 the Infinity. A química que os dois tem em cena é tamanha, que mesmo com os outros personagem sendo bons, a única coisa que você quer e que eles façam logo o que tem que fazer para você ver os dois protagonistas contracenando de novo.

Reki é um gênio, sua perspicácia em analisar e compreender as dificuldades de Langa são incríveis. Claro, elas foram feitas para serem incríveis, mas a narrativa para isso é boa, e não fica parecendo que ele é um falso gênio.

Langa pode dar uma ideia errada para alguns por conta de suas habilidades fora do comum, mas vale lembrar que ele tem 15 anos de prática, então suas vitórias não vieram com base no poder da amizade.

Primeira vez que Langa consegue realizar um ollie com o por do sol ao fundo

Na verdade, ele meio que ele adota um “alter ego” enquanto anda de skate, e esse “outro ele”, é simplesmente imbatível.

Falando em alter ego, vamos aos próximos personagens.

Os alter egos em SK8 the Infintiy

Não sei qual a relação social que o skate tem no Japão; ao menos no Brasil, por muito tempo, senão até os dias de hoje, é visto como um esporte de vagabundo e maconheiro.

O que podemos perceber em SK8 the Infinity, é que todos os corredores possuem uma “máscara”. Durante o dia eles são algo que a sociedade esperam deles, mas a noite, na corrida clandestina do “S”, quando sobem eu seus skates, eles são aquilo que eles querem ser, skatistas radicais super edgy.

E isso é bem interessante, apesar de pouco explorado até então. Mas de fato isso da uma liberdade criativa absurda para o autor, possibilitando criar personagens estilosos e únicos.

Temos até mesmo o Dio Brando e um integrante da banda Kiss.

Shadow personagem que parece um integrante da banda kiss Sk8 the infinity

Além disso, cada um possui estilo único de skate, tornando o conjunto da obra, no quesito design, algo que salta aos olhos.

Sk8 the infinity não deixa a peteca cair

Depois de um primeiro episódio absurdo, é esperado que os episódios que iriam suceder, fossem menos empolgantes.

Esse pensamento não podia estar mais errado!

Mesmo com tudo que aconteceu no primeiro episódio, o episódio três consegue ser tão incrível quanto, com destaque para a reta final da corrida.

Quem assitiu Initial D sabe da onde saiu esse “slide” na vala.

Mas é inegável que não tem como sustentar essa formula por 12 episódios. O que os criadores de SK8 the Infinity vão fazer para nos manter engajados até o final dessa história?!

Sinceramente eu não faço a menor ideia.

Assim como o skate, o potencial aqui é infinito!

Finalizando as primeiras impressões de SK8 the Infinity

Acho que deu para perceber que eu estou levemente empolgado com SK8 the Infinity, né?!

Sinceramente SK8 tem tudo para agradar a maioria do publico, ele é leve, divertido, empolgante, tem uma boa história e bons personagens.

Além disso, ele consegue ter uma “pegada” shounen, mas ainda sim parecer um anime mais adulto e sério do que ele sugere ser. Outro ponto a ser ressaltado, é que a qualidade da animação está ABSURDA!

Sem dúvida nenhuma eu irie acompanhar esse anime até o final, torcendo para que ele consiga se manter nesse nível.

Eai, o que você achou de SK8 the infinity? Com certeza o melhor do ano ou por enquanto parece um exagero?

Escrito por

Pedro Bernardes

Profissional de Educação Física

Cult | Atleta | Leitor compulsivo

Belo Horizonte - MG

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!