Em nossas RegrasDe3, os autores assistem os 3 primeiros episódios de um anime novo lançado na respectiva temporada. Após isso, eles escrevem uma análise sobre esse começo da obra, sendo uma espécie de primeiras impressões. Fique atento: a RegraDe3 é uma visão baseada APENAS nesses 3 primeiros episódios, NÃO sobre o anime inteiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Urasekai Picnic talvez não tenha sido a primeira escolha de muita gente para essa temporada. Com tantos animes saindo ao mesmo tempo, este aqui parece ter ficado meio de lado nas redes sociais.

No entanto, trago aqui as minhas primeiras impressões desse anime que, apesar de estar em ritmo mediano, tem potencial!

céu azul em Urasekai Picnic
  • Gênero: Sci-fi, aventura, mistério, fantasia, shoujo-ai
  • Estúdio: LIDENFILMS, Felix Film
  • Material fonte: Novel
  • Episódios: 12
  • Novos episódios: Segundas-feiras
  • Página do anime na Cúpula e no MAL

Não faço a menor ideia do que se trata Urasekai Picnic

É o que você provavelmente está pensando, já que, de começo, as informações parecem um tanto nebulosas, e a sinopse não entrega muita coisa. Apesar disso, o trailer é bem bonito e chama bastante atenção.

Quando a gente, que já está um pouco mais acostumado com nomes de animes, vemos “sekai” em algum título, já ficamos com dois pés atrás.

Será que é mais um isekai? Felizmente, não é! (Nos padrões que conhecemos, claro). Urasekai Picnic traz uma proposta bem legal, na verdade.

Inicialmente, nos encontramos na mesma situação que Sorao Kamikoshi, a protagonista.

Sorao

Deixada à própria sorte em algum lugar que não temos ideia de onde seja, ela parece desistir de sua vida. Contudo, Toriko Nishina a estenderia a mão para enfrentar aquele lugar diferente.

Toriko salva Sorao

Não sei, ainda, como Sorao chegou àquele lugar, exatamente. Fato é que as duas chamam este lugar de “Outro Lado”, daí o nome “Urasekai”.

Desta maneira, as duas embarcam nas aventuras do outro lado, que podem dividir o público dependendo do balançar da história.

Pareceu confuso? É, um pouquinho, no primeiro episódio. Mas calma!

Temos um clima bem folclórico!

Não do jeito que o brasileiro conhece, no entanto. O anime parece fazer diversas referências ao folclore oriental, com alguns diferentes monstros ou criaturas.

Lembrando que estamos falando aqui sobre as minhas primeiras impressões, portanto, pode ser, por exemplo, que seja uma grande metáfora depois!

Sorao e Toriko encontram, primeiramente, um grande monstro sem face definida, que causa grande medo em quem olha.

As duas, que acabaram de se conhecer, tentam lutar juntas com o máximo que têm, e acabam com duas “fraturas” de guerra: um dos olhos de Sorao fica azul e uma das mãos de Toriko fica transparente, fantasmagórica.

Por quê? Ainda não sei. Isso é de grande relevância, no entanto, já que elas usam depois. De alguma forma, o que elas ganharam com essa batalha as permite sobreviver nas vezes seguintes.

Descobrimos, então, que Toriko estava indo ao “Outro mundo” para resgatar uma amiga que tinha perdido lá, a Satsuki. E, ela sabia que, matando os monstros, conseguiria vender um item que eles “dropam” quando eles morrem, um cubo espelhado.

Vendendo esse cubo espelhado a uma pesquisadora conhecida, ela poderia ganhar dinheiro e informação em troca, o que poderia ajudar a achar sua amiga perdida.

Apesar de Sorao não ter nada a ver com isso (definitivamente), acaba sendo levada pelo carisma e determinação de Toriko.

Toriko

Inclusive, gosto muito do fato de que as duas não sejam os arquétipos de protagonista que a gente já conhece: tsundere, kuudere, loli (e por aí vai). As duas parecem ser pessoas completamente normais e centradas nas decisões que tomam!

Enfim, um descanso para quem já está cansada de estereótipos!

Alguma coisa parece fora do lugar em Urasekai Picnic

Pessoalmente, algo estava me incomodando nessas primeiras impressões. Os três primeiros episódios foram bons, mas parecia estar faltando algo. E, escrevendo, eu sei exatamente o que é: os personagens.

Apesar de terem nomes e de serem personagens femininas (adoro uma representação!), seu passado é extremamente nebuloso para quem assiste. O que torna, por conseguinte, difícil se conectar com elas ou com a motivação delas, pelo menos dentro destes três episódios.

Outro ponto negativo é referente ao CG utilizado: computação gráfica é um recurso incrível que pode ser muito bem feito! Todavia, houve uso em alguns momentos, em cenas completamente estáticas!

Me lembrou um pouco de quando assisti Tamayomi, o maior exemplo de como NÃO USAR CG. Não tem necessidade disso. Mas até que o CG dos monstros ficou legal.

O que, no entanto, tem de muito positivo, são as lendas: o Kune Kune, que é uma lenda urbana japonesa; e a vila do terceiro episódio, que me parece ser uma referência à lenda da vila Inunaki; ou o ritual do elevador para outra dimensão.

De acordo com o decorrer do anime, provavelmente irão adicionando outras.

monstro do folclore kune kune

Finalizando as primeiras impressões de Urasekai Picnic

Eu certamente vou continuar! Urasekai Picnic tem um potencial incrível, e me ganhou quando começou a citar um monte de eventos sobrenaturais e lendas. O anime não se explorou completamente até agora, mas pode virar algo muito digno.

Espero poder ver muito mais da Toriko e da Sorao, e que elas possam brilhar com suas próprias ambições.

Eu não tenho a menor ideia de como está sendo o material original, e até o momento, parece um pouco corrida a história, mas nada que atrapalhe.

Eu definitivamente recomendaria a alguém, com esses três primeiros episódios. Até que gostei, hem?

Escrito por

Helena Nunes

Estudante desesperada

Revisora textual | Cantora de chuveiro

Campos - RJ

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.
Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!