Análise

Choujin X (mangá de Sui Ishida) | Primeiras impressões

Choujin X, do mesmo autor de Tokyo Ghoul, é, podemos dizer, razoável
10 minutos para a leitura

Provavelmente você já ouviu falar em Sui Ishida (eu sempre acho engraçado a sonância do nome dele). Caso não conheça ele, talvez conheça sua obra mais famosa: Tokyo Ghoul. Recentemente Ishida começou a trabalhar em um novo projeto: Choujin X.

A priori, quando soube da notícia, me interessei pela obra. Contudo, o tempo passou e esse meu desejo de conhecer mais sobre Choujin X acabou indo parar no limbo.

Todavia, recentemente acabei me deparando com ele novamente. E claro, me remeteu ao tempo em que eu tinha a curiosidade de lê-lo. E foi exatamente o que eu fiz.

Algo interessante, antes de iniciarmos o texto propriamente dito sobre o título e que já foi questão de debate entre alguns membros aqui da Cúpula, é a associação de obras. Acredito que tenhamos debatido um pouco sobre isto no cast de Tenki no Ko (O tempo com você). Por exemplo, o autor de Tenki no Ko é o mesmo da gigantesca produção Your Name. Dessa forma, será que dá para comparar e esperar que o autor se supere?

Enfim, o mesmo acontece aqui com Ishida. Tokyo Ghoul com certeza reverberou bastante pelo mundo. E agora eis que surge uma nova história. Será que dá para fomentar críticas com base no que já fora entregue antes ou apenas devemos apreciar o que está sendo construído agora?

Por fim, vamos de fato ao que interessa e descobrir do que se trata este novo trabalho de Sui Ishida. Aliás, Choujin X está disponível na plataforma gratuita Manga Plus, com tradução PT-BR.

capa do mangá choujin x
  • Autor: Sui Ishida (Story & Art)
  • Ano de publicação: 10 de maio/2021 – em publicação
  • Capítulos: 8 até a produção deste texto (em andamento)
  • Gêneros: Ação, sobrenatural

O início com narrativas paralelas, mas que se complementam

Logo nas primeiras páginas vemos a narração da história de uma simples garota que está viajando de avião para uma espécie de festival. E do nada surge um “Choujin” e explode tudo.

Ok. O que são Choujins? Este é um ponto curioso do mangá. Afinal, até os capítulos que foram disponíveis não se teve uma explicação clara do que são.

É provável que mais adiante seja elucidado. Entretanto, com os eventos apresentados, podemos ter uma noção básica e deduzir que são pessoas com poderes sobrenaturais.

Ademais, após este incidente, esta garota some por um tempo e foca no protagonista da história. Inicialmente parece que nada faz muito sentido, mas as teias vão se conectando.

o início confuso de choujin x

E aqui temos a apresentação daquele que será o foco da história. Algo que me chama a atenção neste personagem é o fato dele ser um tanto depressivo. Quem me conhece tem noção do quanto gosto desses personagens. E um dos meus favoritos, em meio a muitos, é o Rei Kiriyama, de 3-gatsu no Lion. Inclusive, escrevi uma crítica sobre este anime.

O protagonista de Choujin X possui o que chamamos de complexo de inferioridade. E isto com o seu melhor amigo. Sempre acreditando não ser bom em nada e seu amigo o maioral. No entanto, esse complexo acaba se tornando uma enorme obsessão. E isto é esquisito.

Por fim, ele não possui sonhos, que é algo interessante. Você possui sonhos? Sim? Não? Será possível viver neste mundo sem um sonho a ser realizado em sua vida? Fica aí o questionamento filosófico.

O ataque do Choujin e o passo para a transformação

Em um determinado dia, o jovem e seu melhor amigo são atacados por um Choujin. Este é um momento interessante do mangá, pois mostra o quão “bizarro” podem ser os traços do Ishida. Aliás, me lembrou bastante os desenhos do mangá Shuumatsu no Valkyrie. São aqueles traços exagerados e absurdos. Mas, não sei o porquê, é legal de se ver.

A beira da morte, eles encontram uma seringa com um líquido dentro. E isto nos leva a entender que talvez esses Choujin sejam geneticamente modificados e não algo natural.

Apontando um para o outro a seringa, eles aplicam. Contudo, funciona apenas em um. E adivinha em quem?! Claro que no protagonista. E o moleque se transforma em um tipo de urubu. Mas calma que tem um contexto para isto na narrativa.

a transformação do protagonista

Mesmo transformando-se, ele ainda se vê totalmente dependente do amigo, pensando no que o amigo diria para ele ou como agir. Em síntese, ele não possuía vontade própria.

E neste ponto temos uma pequena dramatização do personagem no que tange a aparência física dele. Afinal, ele se transformou em uma criatura sobrenatural. E parecia que ele não voltaria mais ao normal. Ou seja, uma escolha no calor do momento que poderia arruinar a vida dele para sempre. Se ele consegue voltar ao normal, você vai ter que ler para descobrir.

A mulher-cobra e a hierarquia dos Choujins

O primeiro momento “romântico” do mangá. E claro, não passou de um esquema para manipular e matar o recém Choujin. Aliás, desde o início desse contato entre ele e uma garota misteriosa, tudo foi muito ruim e não passou nenhuma energia boa.

Enfim, tivemos a revelação de que de fato não era para ser bom. A garota era uma Choujin. E ela se transformava em cobra. Aparentemente existe a transformação absoluta ou qualquer coisa do gênero, onde o Choujin se transforma naquilo que ele realmente é. E, reiterando, parece haver uma exposição do porquê de tudo ser como é.

Em suma, surge um “herói dos Choujins” para salvar a vida do nosso protagonista, que claramente não tinha habilidade e experiência o suficiente para encarar aquele imbróglio.

luta com a choujin mulher cobra

Após o resgate, esse herói explica um pouco sobre o universo desses seres sobrenaturais. E esta parte é legal. De forma resumida, esses seres não podem simplesmente usar seus poderes. Eles precisam passar por uma escola de treinamento, receber um registro e, com base na classificação deste registro, utilizar os poderes.

E aqui entramos em um arco de aprimoramento e desenvolvimento do nosso personagem principal. De certa forma, lembra um pouco Jujutsu Kaisen, com a lógica de apresentar Yuji Itadori à escola Jujutsu e a partir deste ponto ele ser treinado para usar de forma racional e exímia suas habilidades. Como supracitado no subtítulo, Choujin X é um mangá razoável.

Problemas em Choujin X?

Claro que nem tudo são flores. Todavia, não sei se posso dizer que são problemas de fato ou coisas que me incomodaram. São coisas bem diferentes.

Tirando o “deus ex machina” que acontece logo nos primeiros capítulos, algo que me incomodou bastante foram as páginas horizontais.

Quero dizer, páginas horizontais são lindas, mas somente quando em mangás físicos. Digital é um tanto cansativo, pois faz-se necessário ficar ampliando a tela o tempo todo.

Felizmente isto aconteceu somente nos primeiros capítulos. Parece até que o Ishida percebeu o quanto isto era chato e deu uma consertada. A propósito, obrigado, Ishida.

Finalizando as primeiras impressões de Choujin X

Acredito que este mangá, em conclusão, vale a sua atenção. Não é algo surpreendente, porém possui alguns momentos interessantes. Aos poucos parece que as coisas vão dando uma balanceada, encontrando os trilhos e rumando para algo que vale a atenção.

Por fim, caso você seja fã do Sui Ishida ou mesmo de Tokyo Ghoul, recomendo fortemente que dê, ao menos, uma chance para conhecer esta nova obra do mangaká.

uma amizade um tanto tóxica
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Escrito por

Welerson Silva

Jornalista e Escritor

Youtuber | Escrita cabeçuda

Brasília - DF

Entre na conversa, deixe seu comentário!

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!
Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.