Em nossas RegrasDe3, os autores assistem os 3 primeiros episódios de um anime novo lançado na respectiva temporada. Após isso, eles escrevem uma análise sobre esse começo da obra, sendo uma espécie de primeiras impressões. Fique atento: a RegraDe3 é uma visão baseada APENAS nesses 3 primeiros episódios, NÃO sobre o anime inteiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Ao todo eu já escrevi 10 RegrasDe3. Mushoku Tensei: Isekai Ittara Honki Dasu será a minha 11ª, e tenho que confessar que talvez seja a mais difícil. Não digo que seja difícil por ser uma anime complexo ou algo do tipo, mas sim, por eu ir de contra a maré, visto que Mushoku Tensei até o momento é um dos animes mais bem avaliados da temporada de inverno de 2021 segundo o MAL.

Mas claro que, mesmo eu não gostando, é inegável que essa obra tem alguns valores que valem ser ressaltados, e que a tornam, ainda, um anime interessante.

Mas, vou falar mais disso ao longo desse texto. Para aqueles que ainda não sabem do que se trata o anime, vamos para uma rápida sinopse.

Rudeus segurando um cajado Mushoku Tensei
  • Gênero: Drama, magia, fantasia
  • Estúdio: Studio Bind
  • Material: Light Novel
  • Episódios: 11
  • Novos episódios: Segunda-Feira
  • Página do anime (na Cúpula) (no MAL)

Sinopse

Morto enquanto salvava um estranho de um acidente de trânsito, um NEET de 34 anos reincarna num mundo de magia como Rudeus Greyrat, um bebê recém nascido. Com seu conhecimento de adulto, experiência e muitos arrependimentos, Rudeus pretende não repetir seus erros do passado.

Agora, abençoado com poderes mágicos gigantescos e com a mente de um adulto, Rudeus é visto como um gênio. Só que temos um porém: Rudeus é, na verdade, um pervertido, e está constantemente tentando impressionar mulheres com seus novos super-talentos.

Antes de mais nada, vamos tirar do caminho o fato dessa obra ter seu início muito similar a The Beginning After the End (2017), isso não vem ao caso. Pois a realidade é a oposta do que muita gente pensa por ai: o material fonte Mushoku Tensei (2012) veio antes.

O que me desagrada nessa obra não é o fato de sua história ser clichê com elementos clichês, pois como já vimos, ser clichê não é necessariamente um problema. O problema aqui é narrativo mesmo.

Porém, vamos por partes.

O lado bom de Mushoku Tensei

Vou falar logo do lado bom desse anime, porque assim, talvez, eu pareça menos chato do que de fato sou.

Vamos começar pela animação. Sinceramente, o nível de produção aqui está absurdo, mesmo os animes mais bem produzidos dessa temporada de inverno não conseguem ter o mesmo nível de Mushoku Tensei.

Sem contar que o anime já começa no melhor estilo cinematográfico, numa mistura de cenas de um “prólogo”, como os créditos dos idealizadores. Poucas vezes vi um anime fazer algo assim, o único que me vem a cabeça agora é Re:Zero.

A fotografia é belíssima; há cenas em uma plantação de trigo e é inacreditável o nível de detalhes:

Protagonistas de Mushoku Tensei em um campo de trigo

Há também as cenas de invocação das magias, que é de deixar qualquer um com queixo caído. Não apenas pela animação, mas por todo o conjunto; animação, direção e efeitos sonoros.

Rudeus segurando um livro e fazendo uma magia de água

Quanto a esses aspectos técnicos, quase não tenho o que falar. O meu único problema aqui é com a trilha sonora mais cômica nas cenas que são de humor. Achei ela meio intrusiva e poderia ser um pouquinho mais sutil. É algo como “olha, essa cena é cômica, então você precisa achar graça!”.

Mas, isso realmente é só eu pegando no pé, não é nem de perto um problema.

Problemas da vida passada

Algo raríssimo (mas extremamente raro mesmo!) é vermos a relação da vida passado de um personagem de Isekai, com sua atual vida no novo mundo. E de fato, Mushoku Tensei fez isso muito bem, mesmo que relativamente pouco tratando-se de três episódios (que foi o que assisti para essas primeiras impressões).

É muito interessante ver como os traumas, inseguranças e medos do protagonista ainda têm força para afetá-lo em sua nova vida mesmo que, na teoria, não tenha com o que ele se preocupar.

Personagem sofrendo bulliyng na escola

E mais uma vez, méritos para a direção do anime, que soube conduzir muito bem toda a cena para nos fazer sentir que todo aqueles sentimentos que o protagonista sentia eram críveis, a mistura de flashback com acontecimentos do presente também ajudam bastante na imersão e conseguiu me deixar genuinamente interessado na história.

E não só isso, os conflitos que ocorrem do protagonista com os personagens adultos são muito interessantes. Por ele ser um adulto, mas estar no corpo de criança, o autor soube criar uma cena de drama muito boa.

Além, é claro, de bons diálogos entre os personagens. É inegável que pelo menos uma vez por episódio há momentos genuinamente bons, que fazem você querer ver mais.

Rudeus e seu pai na banheira conversando Mushoku Tensei

Mas assim como tudo na vida, Mushoku Tensei tem um o famoso “porém”, infelizmente.

Mushoku Tensei poderia ser um dos melhores, mas…

É engraçado com os japoneses tem uma visão muito clara e crítica sobre seus problemas sociais e culturais. Isso fica claro da forma como é retratado o protagonista em sua vida passada.

Um NEET, que não sabe conviver com as pessoas, que bate uma para desenhos, e que está perdido em sua vida apenas esperando seu “prazo de validade acabar”.

Tudo que envolve o passado do protagonista tem um ar sombrio e sério. Mostrando que a vida de um NEET é bem triste.

Mas aí, o autor cai na própria cilada, pois acaba reproduzindo aquilo que ele está criticando, caindo em algum tipo obrigatório de “check-list” da indústria dos shonens.

  • MILF Peituda – Check
  • Calcinha a cada 5min de anime – Check
  • Querer pegar todas as personagens femininas – Check
  • Querer pegar a própria mãe – Check

Eu entendo que ele continua sendo o mesmo NEET punheteiro de sua vida passada. O problema não é esse.

O problema é como todos esse itens acima são abordados. Nenhuma das cenas desse tipo tem propósito narrativo, estão lá apenas para criar mais NEETs: os que estão assistindo.

E eu ainda acredito que o autor vai querer nos vender, mais para frente, um amor genuíno entre mãe e filho, mesmo com ele se esforçando em nos mostrar a mãe apenas como uma MILF.

Close nos peitos da mãe de Rudeus

Eu poderia elencar os diversos problemas que ocorrem em cada episódio de Mushoku Tensei, mas eu só me repetiria.

Porém, eu acho que o anime possa ter salvação. O episódio 3 mostrou que o autor sabe criar conflitos e conduzi-los muito bem e, ainda, conseguir relacioná-los com sua vida passada.

Só precisamos ter fé!

Finalizando as primeiras impressões de Mushoku Tensei

Mushoku Tensei é um anime bem ambíguo, mas que provavelmente vai cair na graça da comunidade. E isso não é um problema, mas é uma pena ver uma história com potencial ser desperdiçada em fã service.

Espero de verdade que a obra se preocupe em contar aquilo que ela mostrou saber fazer. Esses três episódios me deixaram em cima do muro, mas ainda com vontade de ver no que essa história vai dar.

Mas, não tem como negar que o anime é um show, e mostra que cada vez mais a tendência é a de termos animes bem produzidos. Animação, trilha sonora e a direção, fazem toda a diferença na hora de conquistar o público.

É isso! Vocês concordam comigo ou discordam demigo?!

Deixa ai nos comentários a suas primeiras impressões sobre essa obra, quem sabe eu não fale mais sobre meu ponto de vista.

Escrito por

Pedro Bernardes

Profissional de Educação Física

Cult | Atleta | Leitor compulsivo

Belo Horizonte - MG

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!