Regra de 3

Shoot! Goal to the Future | Primeiras impressões

8 minutos para leitura

Em nossas RegrasDe3, os autores assistem os 3 primeiros episódios de um anime novo lançado na respectiva temporada. Após isso, eles escrevem uma análise sobre esse começo da obra, sendo uma espécie de primeiras impressões. Fique atento: a RegraDe3 é uma visão baseada APENAS nesses 3 primeiros episódios, NÃO sobre o anime inteiro.

Shoot Goal to the Future é um anime sobre esporte ah, vá. Mais especificamente, sobre futebol. E, já adianto, apesar de ter sido escolhida nessa RegraDe3 para falar sobre ele, eu sou absolutamente leiga quanto a futebol. Sei o básico, como área de impedimento, mas nada que vá agregar muito por aqui.

No entanto, me arrisquei a escrever sobre essa Rd3. Não que eu tivesse muita escolha, porque, como já sabem aqueles que nos acompanham, nossas Rd3 são escolhidas por sorteio!

É uma roleta-russa de isekai e anime ruim. Quase sempre dá errado.

Será que Shoot! Goal to the Future (meu Deus, que nome grande) deu errado também?

Bem, não que isso seja determinante para nada, mas o anime tem a incrível – ou horrível – nota de 5,24 no MyAnimelist.

Em sites populares, é comum que a nota suba bastante, mesmo para animes com poucos atributos técnicos relevantes. Bem, então vamos ao que isso tudo significa.

shoot goal to the future
  • Gênero: Esportes
  • Diretor: Noriyuki Nakamura
  • Estúdio: Magic Bus, EMT Squared
  • Material: Original (mais ou menos)
  • Onde assistir: Crunchyroll
  • Novos episódios: Sábado

É uma história sobre… futebol

Problema nenhum com isso. Mas vamos ao panorama destes três episódios e à sinopse. Primeiramente, cabe dizer que a sinopse do MyAnimeList é péssima. Nível Netflix.

Atsushi Kamiya é um antigo capitão da escola Kakegawa, mundialmente reconhecido como o ‘capitão corajoso’ de um famoso time de futebol italiano. Hideto Tsuji é um estudante desta mesma escola, que parece desinteressado no fraco e atual time de futebol. O encontro dos dois é o início de uma nova lenda”.

Tradução: eu.

protagonista em shoot goal to the future com cabelos azuis
Hideto, nosso protagonista

Então, eu poderia dizer que essa sinopse tem a ver. Mas nem tanto. Kamiya Atsushi não é exatamente a estrela dos três primeiros episódios, e até me impressionei em ler a sinopse depois.

Eu não lembrava de quando tínhamos lido na nossa reunião das rd3, e nem de que a sinopse era assim.

Se fosse para refazer a sinopse de forma livre, esta seria a minha:

Hideto Tsuji é um menino que costumava jogar futebol com o seu melhor amigo, mas, após um importante acontecimento, ele decidiu que não iria nunca mais jogar. Ao entrar na escola Kakegawa, Tsuji rejeita por completo a ideia de jogar futebol com o fraco time da escola, mas isso muda quando ele é confrontado com os seus medos e com o seu passado.

Tem muito mais a ver, eu garanto. Apesar de ter sido eu quem escrevi a sinopse que considero boa, o grande técnico da sinopse oficial não teve nem cinco minutos de tela completos ainda. O amigo de infância do protagonista teve muito mais.

treinador kamiya
O tal técnico aí

O que se espera de um anime de futebol?

O mesmo que se espera de quase qualquer anime interessante de esporte. É viável que se tenha bons personagens, uma trilha sonora compatível, boa animação, jogadas interessantes, explicações breves e muito, muito, muito hype.

Shoot Goal to The Future não tem nada disso.

Hideto Tsuji, assim que se encontra com um jogador esquentadinho do clube de futebol da sua escola, deixa claro que nunca mais quer jogar. E no mesmo episódio está jogando de novo.

Passa-se o mesmo flashback da sua infância quatro vezes somente no primeiro episódio, e a trilha sonora pula de uma música super dramática para um dubstep em cinco segundos. Aliás, não é exatamente assim que ocorre, mas a trilha sonora realmente te tira do anime.

Nessa situação, eu precisei voltar várias vezes para somente PRESTAR ATENÇÃO nos diálogos. Eles são mais ou menos assim: “Seu lixo! Você está desprezando meu futebol?” e “Sai, eu nunca mais vou jogar futebol”. Pouquíssimo construídos e igualmente desinteressantes.

Acho que uma alternativa viável seria começar com a infância dele, explicar primeiro os sentimentos que ele teve quando criança, para só então pular para o presente.

Uma trilha sonora bem baixa, quase como um ruído branco. O diretor poderia estilizar o passado, dar uma estética de televisão mal sintonizada e explicar tudo.

Mas não. Ele prefere jogar logo no presente, mostrar flashback umas cinco vezes e não explicar nada. Os personagens são inconstantes e não parecem ter personalidade fixa. Parecem bonecos se mexendo, e isso não é um elogio.

Se posso dar um elogio, dou à opening, que é bem legal comparada ao resto:

Shoot! Goal to the Future é igual à sua nota: mediano

Tudo nesse anime é mediano. E isso é péssimo. Vemos que, industrialmente, criticarem o seu trabalho é sempre um cocô?

Sim, é. No entanto, a crítica demasiada pode fazer rolar um “backfire”, como se fosse um “efeito oposto”, tornando a obra duvidosa mais popular apenas por ser muito ruim ou muito excêntrica.

Para representar, falo do anime Ex-Arm, que foi EXTREMAMENTE comentado pela comunidade de animes no geral, porque todo mundo falou que era ruim demais; inclusive, a gente também comentou sobre.

Apesar do que talvez seja uma das piores notas do MyAnimelist, Ex-Arm está, em popularidade, na posição 2.128º. Shoot! Goal to The Future, nosso mediano, está, em popularidade, na posição 5.990º.

Ou seja, ao verificar Ex-Arm, consideramos que ruim demais também pode significar ser popular. Muita gente deve ter visto apenas pela curiosidade de saber se era ruim mesmo ou não.

Ser mais ou menos é uma bosta porque ninguém se lembra de você. Isso não é autocrítica.

E, sem dúvidas, daqui a alguns anos, alguém vai me perguntar (ou não, quem me perguntaria isso?): lembra daquele anime sobre futebol que você assistiu e até escreveu sobre?

E eu vou citar uns dez que sejam parecidos, e talvez esse aqui nem seja citado na lista. Entra com certeza para uma das nossas categorias do Para-Raio Awards de que temos certeza de que vamos esquecer.

Finalizando as primeiras impressões de Shoot! Goal to the Future

Aparentemente, esse anime é uma espécie de continuação de um outro de 1993, em que o treinador Kamiya Atsushi também aparece. O nome é Aoki Densetsu Shoot!. Parece que tem a ver, mas não tem. Deixe-me explicar: trata-se da MESMA escola, mas de times diferentes.

antigo time da escola em aoki densetsu

Apenas o tal Kamiya foi quem participou dos anos de ouro da escola Kakegawa, e, inclusive, fazem questão de mostrar isso no anime.

Além de serem estes os anos de ouro da Kakegawa, provavelmente eram também do anime, que é melhor cotado no MyAnimelist, além de ser animado pela Toei (aos esquecidos, eles fazem One Piece).

É possível que esse Aoki não sei das quantas seja melhor do que Shoot! Goal to The Future. E parece-me, além disso, que o segundo tenta, de forma bem frustrada, se apoiar no que foi o seu antecessor de 1993.

Isso porque frequentemente são citados os nomes dos jogadores, como se ainda estivessem jogando por ali.

Mas se é um time diferente, poderia ser melhor explicado. Aliás, tem muita coisa que poderia ser melhor explicada. Shoot Goal to The Future poderia mesmo ser alguma coisa, mas se agarra em um passado que não existe mais.

No geral, não vale a pena ser visto. Espero que em breve tenhamos mais animes de esporte que sejam incríveis (a Copa está chegando!). Com isso, deixo a opinião sincera de um nobre desconhecido:

comentário shoot goal to the future falando sobre como o anime é ruim

Até a próxima Rd3!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Escrito por

Helena Nunes

Estudante desesperada

Revisora textual | Cantora de chuveiro

Campos - RJ

Entre na conversa, deixe seu comentário!​

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!
Ei! Antes de você ir.
Se gosta de animes tanto quanto nós

Conheça nosso podcast sobre animes e mangás no Youtube!

Não se preocupe, ao clicar irá abrir uma nova aba. E você vai poder continuar sua leitura.

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.