Análise

Tower of God (Kami no Tou) é bom? Vale a pena ler o webtoon? | Crítica

Uma joia INDISPENSÁVEL da Coreia do Sul: conheça Tower of God
22 minutos para a leitura

Há não muito tempo atrás foi anunciado na Comic Con coreana que os aclamados manhwas Tower of God e Noblesse ganhariam uma adaptação para anime, ambas produzidas por estúdios japoneses.

Contudo, infelizmente ainda se tem pouquíssimas informações sobre isso, pois não se sabe quem é o estúdio, diretores, data de lançamento, etc.

Esse fato pode ser uma boa notícia para os amantes de manhwas, pois aumenta a chance de obras posteriores ganharem respectivas adaptações para a mídia animada.

O autor de Tower of God

Tower of God nasceu como um webtoon, escrito e desenhado por Lee Jong-Hui, também conhecido pelo pseudônimo de SIU (Slave in Utero), no ano de 2010.

Webtoon, para aqueles que não sabem do que se trata, é um termo usado para descrever manhwas sul-coreanos que são publicados online. Esse serviço existe desde 2003, e muito escritores e desenhistas amadores postam suas obras nesse tipo de plataforma.

Logo após SIU se formar em artes, o mesmo foi convocado para o exército da coreia do sul. Por lá, independente do seu status social ou ocupação, o serviço é obrigatório por dois anos para os homens – e são poucos aqueles que conseguem uma justificativa para deixar de servir.

Um caso que ficou famoso nos últimos tempos é do atacante Son Heung-min do Tottenham Hot Spurs, que conseguiu se livrar do serviço obrigatório por um triz.

Son quase deixou de ser um jogador do FIFA para protagonizar o Battlefield

Durante o serviço militar, SIU foi incentivado a desenhar por um de seus superiores, que gostava de manhawas.

Então, ele começou a fazer vários esboços de qualquer coisa que vinha a cabeça dele, e quando ele havia concluído o serviço militar, ele já tinha 10 cadernos completos de inúmeros desenhos. A discussão sobre esses cadernos serviu para criar Tower of God.

Concluindo, SIU é um autor muito próximo da comunidade. Ele interage bastante os fãs de sua obra, posta conteudo extra, cria biografias de personagens secudários, entre outros mimos.

SIU-respondendo-leitores em comentários na internet

O infinito universo de Tower of God

O manhwa de Tower of God atualmente conta com três seasons (sim, “seasons“). Essa análise vai se ater apenas a primeira, que conta com 79 capítulos.

Tower of God conta a história de Baam, um menino que passa boa parte de sua vida preso debaixo de uma torre, tendo apenas uma única companhia, Rachel.

Um dia Rachel decide que não quer mais viver a mesma vida para sempre. Seu sonho é alcançar as estrelas e vê-las de perto e para isso precisa entrar na torre e deixar Baam para trás.

Quando Rachel entra na torre e deixa Baam para trás, Baam fica inconformado e vai atrás dela. E é desse ponto que se inicia a incrivel jornada de Baam na Tower of God.

Tower of God inicia sua história com uma trama envolta a inúmeros questionamentos e mistérios. O que é essa torre? Quem é Baam? Qual o limite da torre? Quem é Rachel?

Uma narrativa que prende rápido

O escritor Nicholas Boothman (que já foi citado pelo André aqui na Cúpula), tem um livro no qual fala que uma pessoa tem 90 segundos para convencer a outra daquilo que ela está falando.

Ou seja, se dentro desse tempo você conseguir convencer alguém, essa pessoa terá sua atenção.

SIU em apenas um único capítulo consegue convencer o leitor que sua história merece atenção. ”Que porra é esse coelho?”, ”Por que ele precisa fazer esses testes?”, ”O que são as 13 Month Series?”, “Quem são os Zhards?”.

Todas essas perguntas intrigantes surgem logo no primeiro capítulo da série…

A narrativa de Tower of God é quase impecável, uma vez que a mesma não é expositiva.

Não tem um personagem que para a história para ficar explicando as regras desse universo. A cada capítulo, nós aprendemos junto com o Baam um pouco sobre a torre e suas histórias. Uma aula de ”não me fale, me mostre”.

A arte

Tower of god é um dos manhwas pioneiros no modelo webtoon.

Muitos que iniciaram suas vidas nos manhwas por meio de Solo Leveling podem encontrar uma barreira ao se deparar com Tower of God.

A arte desse manhwa é extremamente simplista, com muitos traços, no mínimo, peculiares. Confesso que da primeira vez que tentei ler esse manhwa eu nem cheguei a ler sua história, pois o traço não chegou a ser minimamente convidativo.

Traços-Tower-of-God personagem no chão rastejando

O visual de Baam é estranho, os backgrounds são simplórios. Hora todo preto, hora todo branco. As armas são tosquissimas. Lança, espada, e molinete (sim, molinete), parecem que foram feitos no Paint.

Armas em Tower of God em 4 partes
Olha esse inventário de armas lendárias!

Mas, sinceramente, a arte foi o de menos quando eu imergi na história.

Se você é daqueles que considera a qualidade de traço algo indispensável, sinto muito, mas Tower of God Season 1 não é para você.

Mas se você, assim como eu, é amante de uma boa história, pode ir sem medo que você não se arrependerá.

Apesar da arte deixar a desejar de um modo geral, há momentos completamente inspirados do autor. Mesmo com ”recursos” limitados, ele consegue entregar visuais incríveis e lutas emocionantes

Personagens de Tower of God

Os personagens de Tower of God ainda não tiveram um grande desenvolvimento. Na verdade, pouco tempo se passou dentro da história dessa obra. Acredito que qualquer desenvolvimento que fosse ter nesse período, poderia parecer apressado e forçado.

Os personagens principais não passam de típicos arquétipos. São aqueles personagens que você bate o olho e já consegue imaginar como vai ser o desenvolvimento e qual vai ser o provável rumo da história.

Nenhum personagem teve um grande arco. Mas, o terreno está preparado para o amadurecimento e desenvolvimento dos mesmos.

O trio principal da história consiste dos seguintes personagens:

Vigésimo Quinto Baam

É o personagem principal e o protagonista de Tower of God season 1. Ele é aquele personagem puro, sem maldade, na dele, que não entende muito bem as regras do mundo, mas que tem um talento natural e bem acima da média quando o assunto é poder.

Baam com cara de paisagem

Rak Wraithraiser

Rak é o tipico personagem que tem cara de mal, tamanho de mal, e faz coisas de mal. Mas que na verdade é uma geléia por dentro. O grandalhão é bom, justo e comédia. Sim, ele é o típico personagem que é 99% músculo e só 1% de cérebro, mas que vez ou outra consegue usar esses 1% de forma eficiente. Ele é o responsável pela melhores piadas dessa season.

Rak de costas segurando sua lança

Koon Aguero Agnis

É o cérebro da equipe. Um personagem de poucas palavras. Com um passado misterioso e de uma linhagem nobre. Não é muito forte, mas sua falta falta de poder é compensada por sua incrível capacidade de bolar planos mirabolantes, capazes de enganar até mesmo os Rankers.

Kon segurando sua mala nas costas

Originalidade e inventividade

Essa história de escalar uma torre, em que cada andar é um desafio, diferente não é novidade, pois já vimos algo assim em SAO, Hunter x Hunter e Get backers são exemplos. E Made in Abyss é um exemplo inverso, no qual a cada nível mais baixo o desafio aumento.

Mas a originalidade de Tower of God não está em sua premissa, e sim no seu desenvolvimento de história e como ela é contada, além de seus plots twists.

Tower of God começa sua história cheia de mistérios, como já comentei.

Headon, o guardião do primeiro andar da torre surge logo nas primeiras páginas, e sua presença é ameaçadora e enigmática. Suas palavras serenas são aparentemente carregadas de malícia, fazendo com o que o leitor fique com o pé atrás em confiar nele ou não.

A torre por si só é muito criativa. Todo o mistério que envolve ela, e seus governantes também. Mas o que torna Tower of God excepcional e único, é o uso inventivo de ”classes”. Eu particularmente nunca vi algo similar em nenhum outro lugar.

Cada personagem que está subindo a torre tem uma classe que condiz com sua habilidades. São elas: pescador, portador de lança, observador, portador de luz e manipulador de ondas.

Outro ponto original dessa história são os ”Rankers”.

Rankers são aqueles personagens que conseguiram vencer todos os andares da torre e chegaram ao topo, e agora os mesmo tem funções ”administrativas” nela, além de serem pessoas extremamente poderosas.

Então, essa história não é do tipo que ninguém nunca alcançou o objetivo. Na verdade, a história deixa bem claro que esse objetivo não é impossível, visto a quantidade de Rankers que aparecem. Sendo assim, escalar a torre não é uma tarefa impossível, só muito difícil.

As classes de Tower of God

Todos desejam subir os andares das torres, e todos são possíveis rivais nessa jornada.

Todavia, ao observar as classes, é possível perceber que sozinho seria quase impossível subir a torre, mas trabalhando em equipe as chances são muito maiores.

As classes são incrivelmente criativas. SIU, o autor, ainda faz questão de mostrar que todas tem seu respectivo papel e relevância.

Pescadores: são a principal ofensiva da frente de batalha. Seu objetivo é invadir e dizimar as forças inimigas, geralmente por meio de ataques corpo a corpo. Essa classe para mim é a mais curiosa, pois ”pescador” não é apenas o nome, eles realmente usam um molinete como arma e em algumas batalhas o uso prático delas foi fundamental.

Pescadores-Tower-of-God-1024x461

Portadores de lança: essa classe age praticamente como atiradores de elite. Uma habilidade fundamental é precisão, uma vez que essa arma a longa distância pode ser mortal. Apesar de ser uma classe de longa distância, muitos possuem uma grande proficiência em habilidades corpo a corpo. Alguns até mesmo não deixam a desejar frente aos Pescadores.

Observadores: geralmente correm à frente da batalha para investigar as forças inimigas e obter informações. Observadores costumam ser mais ágeis e discretos. Ao obterem as informações, eles as reportam para os Portadores de luz.

Portadores de luz: são basicamente suportes. Ao receber as informações dos Observadores, eles são responsáveis por desenvolverem um plano e guiar sua equipe para a vitória. Eles também possuem um ”farol”, que é um cubo de luz que serve para guiar seus companheiros.

Ao que deu a entender, os andares são pouco iluminados, e um Portador de luz é de fundamental importância.

Portador-da-luz-tower-of-god-1024x461

Manipulador de ondas: são aqueles capazes de controlar o shinsoo (uma espécie de mana) com maestria. Também são aqueles que possivelmente são os mais poderosos em poder absoluto.

Os Rankers em Tower of God

Como dito antes, os Rankers são aqueles que conseguiram chegar ao topo da torre vencendo todos os andares. Muitos Rankers são realmente poderosos, mas isso não é uma regra, visto que só o poder não é suficiente para concluir a torre.

Os Rankers são considerados praticamente deuses.

Alguns dizem que embora eles tenham nascido em um corpo humano, eles cresceram sem restrições humanas, sendo eles uma existência acima de qualquer humano.

Ranker-Tower-of-God-1024x820

Nessa primeira parte de Tower of God apareceram alguns Rankers, porém pouco foi mostrado de seus poderes. Mas com o pouco que foi mostrado, foi possível sentir que eles são seres imponentes e ameaçadores.

Os Rankers, tem status administrativos, e dinheiro não é um problema. Eles têm acesso a passagens que levam a distintos andares de forma mais rápida.

13 Month Series de Tower of God

Talvez o mistério mais interessante de Tower of God são as armas 13 Month Series. São 13 armas de ignição feitas pelo artesão Ashul Edwaru. Essas armas são concedidas pelo rei Zahard a uma princesa formal.

São armas poderosas, mas para usufruir de todo esse poder o portador deve ter força igual. As 13 Month Series tem uma habilidade peculiar chamada de ”ignição”. Esse poder quando acionado é devastador, tornando-a uma arma letal.

Ao decorrer dos 79 capítulos da primeira season, surgiu duas das 13 Month Series. A Black March e a Green April.

Sim, os design delas são horríveis

Não foi possível ver a ignição da Black March em ação, mas a da Green April foi usada diversas vezes, sendo que seu poder impressionou até mesmo os Rankers.

Ignição-Green-April-1024x614

Finalizando…

Avaliando Tower of God de forma geral, eu consideraria ela como uma obra obrigatória para todos aqueles que gostam do universo de animes e mangás.

Sua história é rica e repleta de mistérios. A possibilidade de desenvolvimento de história é praticamente infinita, tornando ainda mais atrativa sua leitura.

Um ponto positivo da narrativa é que apesar de autor não estabelecer todas as ”regras” desse universo, eu não me senti enganado pelo SIU.

Não houve aquele momento em que o autor surgiu com um elemento novo, um deus ex machina para resolver uma situação aparentemente sem resolução.

Único ponto negativo que vi em toda a história são os diálogos secundários (assuntos triviais que não acrescentam em nada) e as rasas cenas de flerte. Pois por muitas vezes minha imersão foi perdida por conta desses momentos.

Tower of God é um manhwa incrivel, criativo, inventivo e, acima de tudo, indispensável. Tipo Leviathan.

E vou deixar um spoiler para aqueles que ficaram até aqui: a season 3 dessa obra está com uma arte incrível. Desta forma, o seu pseudo esforço (caso você faça questão da qualidade), será recompensado com artes belíssimas e cenas de lutas incríveis.

Nota
9.5

/10

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Escrito por

Pedro Bernardes

Profissional de Educação Física

Cult | Atleta | Leitor compulsivo

Belo Horizonte - MG

Entre na conversa, deixe seu comentário!

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!
Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.