Análise

Re:ZERO é bom? Vale a pena ver o anime? | Crítica

É fora dos padrões e, ainda sim, Re:ZERO é estereotipado
29 minutos para leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Re:ZERO é o anime preferido de muita gente, assistindo eu pude entender melhor o porquê disso, porém alguns pontos se sobre-saíram para mim.

Já aviso que não pouparei spoilers nessa análise, então caso ainda não tenha assistido, pare! Vai lá assistir, vale a pena.

Tenho muitos pensamentos conflitantes sobre essa obra, mas nenhum desses é sobre quem é a best girl. Acho que é bem óbvio, e se você discordar de mim, tudo bem, todo mundo tem o direito de errar.

re:zero rem e ram
imagem meramente ilustrativa

Algumas reflexões sobre Re:ZERO

Talvez eu tenha demorado para assistir Re:ZERO, tantas estações se passaram.

Afinal, porque eu não assisti quando ele ainda estava sendo lançado? Para ser sincero, eu o assisti durante seu lançamento, pelo menos em parte.

Cheguei ao episódio 11, que eu me lembre. Tinha gostado, mas acho que perdi o interesse, talvez outra coisa tenha me chamado mais a atenção e eu simplesmente tenha abandonado Re:ZERO.

Olhando em retrospectiva, acho que foi a escolha certa. Isso não quer dizer que eu não deveria ver Re:ZERO, mas sinto que hoje em dia estou muito mais crítico e preparado para uma história como essa.

O que eu quero dizer?

Em diversos momentos da minha vida, quando estava revendo ou relendo algo, principalmente livros, senti que não tinha tirado nem metade do total potencial que o livro tinha para me oferecer em minha primeira leitura.

Nós mudamos, amadurecemos, e por mais que a inocência do olhar juvenil seja algo interessante, a experiência individual é muito crucial ao enxergar uma obra.

Acredito que o André tenha dito a mesma coisa em sua recomendação de Haikyuu.

re:zero astrea espadachim idoso
O rosto da experiência

Deixando essa breve reflexão de lado, eu sinto que, na época, se tivesse assistido mais alguns episódios, eu teria terminado Re:ZERO.

Aliás, preciso avisar que escrevi para pessoas que já viram a obra, então não me preocupei tanto de ficar explicando tudo em detalhes nessa análise.

Começando pelo começo de Re:ZERO

Na primeira cena, vemos Subaru como um NEET (basicamente, uma pessoa que não estuda nem trabalha, só fica em casa), ele vai comprar umas coisas na vendinha ali da esquina, e depois de ver alguma coisa estranha, acorda num mundo de fantasia.

Isekai puro, sem muita enrolação.

A primeira coisa que ele faz nesse mundo? Se ferrar. Anda por aí sem entender as regras do mundo, depois entra num beco escuro e os moleques cobram ele.

subaru apanhando
Um beco realmente escuro

Como falei anteriormente, não vou poupar spoilers, então aqui fica um segundo e final aviso para os que ainda não assistiram. Vá assistir.

Ele tá lá ainda achando que é o especialzão, o macaco da bola azul, o dono do harém… Manda porrada nos menor-infrator e é espancado de volta.

Chega a Emilia-tan e salva ele.

emilia salvando subaru

Afinal, ela tem todo o esquema de: “Só fiz isso pro meu bem, não foi pra te ajudar e fazer você se apaixonar por mim em 15 min de episódio”, e ele ainda acredita naquela visão clássica “isekaika”.

Ele acredita que foi chamado pra ser o herói e que as coisas serão fáceis para ele. Oh, pobre Subaru…

Re:ZERO tem uma boa introdução

Eu diria que esse primeiro arco, do início até a derrota da caçadora de entranhas, é um bom arco introdutório. Ele nos apresenta o mundo e as mecânicas que ele vai abordar mais na frente, como o “voltar no tempo quando morre”.

Aliás, vamos falar sobre o design dessa personagem (a cortadora de bucho). Ela é bem ameaçadora, toda de preto, cabelo preto e tudo mais, contudo, ela precisa mesmo tem esse vestido com tudo a mostra? E esse salto-alto?

Sei que poderíamos ter o argumento: “Ela é tão foda que luta de salto-alto”. Porém, se ela tirasse o salto-alto ela obviamente lutaria melhor ainda! Desce do salto, amiga.

re:zero tamanco de gelo
Parece uma ideia genial, nem vai escorregar

Não só isso, mas quando ela perde um salto, ao invés de tirar o outro, ela decide botar um pedaço de gelo pra fazer um tipo de tamanco (???). Vou falar mais sobre ela pra frente sobre isso.

Enfim, de qualquer jeito, espero que ela apareça na segunda temporada, pois ela só foi utilizada apenas nessa pequena introdução. E têm mais estrebuchadoras nesse mundo, não?

Ainda nesse arco, ainda são plantadas algumas informações, como os espíritos, o cavaleiro Reinhard, a Felt anarco-socialista e o contrato do Pack (do pezinho) é mencionado.

felt anarco capitalista
f”Se a classe operária tudo produz, a ela tudo pertence!” – Felt

A mansão da Emilia-tan (é do Roswaal, mas parece dela)

Pra quê uma mansão tão grande? Só pra dar mais trabalho para as empregadas (vulgo escravas).

Não sei se lá eles têm leis trabalhistas, mas parece que todo funcionário nessa obra é um vassalo que não faz nada além de seguir ordens.

Basicamente, esse novo arco nos apresenta um pouco mais das regras naturais de Re:ZERO, que até agora não conhecíamos tão bem. Ficamos sabendo um pouco mais sobre magia, espíritos, maldições e Majuus.

majuus em re:zero
Relaxa, ele não morde

Também nesse arco, são desenvolvidos vários relacionamentos, sendo o principal o da Rem com o Subaru, que fica completamente apaixonada por ele. Nesse quesito, não tiro o mérito desse relacionamento.

Claro, com certeza é um pouco rápido demais, porém dá de entender o porquê. A Emilia-tan também é um pouco mais trabalhada. Uma teia de relações começa a se formar.

Embora vejamos o Subaru fazer umas merdas, está tudo bem aceitável, ele está realmente se esforçando e tudo dá certo no final das contas.

re:zero emilia brilhando

Acredito esse ser o arco que traz a empatia do espectador. Pelo grande foco nas relações, começamos a nos importar com esse mundo e seus personagens.

É nesse momento que as pessoas começam a alucinar e dizer coisas como “Rem best girl” ou “Emilia best girl”.

re:zero emilia design
Tenho que admitir que o design dela é lindo

Até aqui, acredito que a história foi basicamente construção de mundo e personagem, nos preparando para…

A queda do protagonista

O mini-arco de 2 episódios da cidade é uma quebra de expectativa gigante em Re:Zero, onde vemos o Subaru fazendo merda após merda.

Quando você acha que não pode ficar pior, vai lá ele e cava uma pouco mais o fundo do poço. Nada melhor que quebrar todas as promessas por puro orgulho, parece que o Subaru perdeu a audição.

Ele, sem conhecer as regras da sociedade, sem conhecer boa parte do mundo, decide simplesmente agir como ele quer.

Destrata todos os cavaleiros do reino, aceita um duelo e apanha até não conseguir mais se levantar.

subaru apanhando para o julius
Nesse ponto da história, dá gosto de ver ele apanhando

Afinal, esse é o primeiro momento que realmente conhecemos melhor sobre a sociedade desse reino em que ele se encontra. É assustador como, antes, sabíamos absolutamente (tirando o papo dele com a loli na mansão) nada sobre Sábio, Dragão e Princesas.

Nem sobre a própria Bruxa tínhamos muitas informações, e mesmo depois da primeira temporada inteira, continuamos sem informações. Mas não se engane com meu tom, acredito que esse é um ponto fortíssimo de Re:ZERO.

A falta de informações torna o mundo mais misterioso.

Quem é essa Bruxa da Inveja? Quem é esse Dragão aí? Por que precisa de uma princesa? Qual o objetivo da Bruxa com o Subaru? Subaru é V8 ou V6? Turbo ou aspirado? Preparado para drift ou track day?

Os mistérios de Re:ZERO

Nada disso eu sei responder, afinal, decidi não ler a light novel.

E acredito que isso não precisa ser explicado para que nos interessemos na história. Eles usam muito bem a suspensão de descrença.

Ou seja, é muito fácil acreditar no que acontece em Re:ZERO, porque, no geral, faz sentido e é coeso com o mundo.

Mas fica a pergunta, porque o Roswaal se veste como um bobo-da-corte? Sem preconceitos, só queria saber mesmo.

re:zero roswaal

Voltando ao arco…

Depois de conhecermos mais personagens na capital e a disputa pela sucessão ao trono, temos a cena de exposição do Subaru.

Ele fez tanta merda que chega a Emilia-tan e diz pra ele: Oh seu pedaço de bosta, para de fazer bosta.

Não foi com essas palavras, mas era isso que ela queria dizer. Ela expõe o motivo do Subaru. Orgulho. Pride. Puraidu. E é claro, um grauzinho de egoísmo.

Eu acredito que esse é um encerramento perfeito para o arco. A briga e o rompimento.

re:zero briga e rompimento emilia e subaru

No fundo, o Subaru viu o rostinho bonito da Emilia-tan, ajudou ela e concluiu que ela estava em divida com ele.

Embora o Subaru tenha ajudado, ele sempre foi dependente de todos a sua volta. Basicamente, ele pode arriscar sua vida, porque ele não vai morrer.

Não parece um tanto conveniente para receber a gratidão de outras pessoas?

É uma análise complexa de fazer. Não estou desmerecendo-o, mas Re:ZERO não é maniqueísta. Não tem personagens brancos ou pretos, todos são cinza (menos a Emilia, fada sensata).

O Desespero, a Ganância, a Loucura, a Desgraça e o Orgulho

Tenho que dizer, o arco dos episódios 14-18 é um dos melhores que eu já vi num anime. Simplesmente um roteiro impecável. Lindo, perfeito. O episódio 18 aliás, é um encerramento perfeito para esse arco.

Que delícia. Deixe o desespero o consumir. Acho que para contextualizar, meu filme favorito é Réquiem para um Sonho. Se você já assistiu, sabe o que é o desespero em quadros por segundo.

Assim como Réquiem para um Sonho, Re:ZERO usa muito bem essa atmosfera de desespero para passar emoções. Ver nosso protagonista falhando miseravelmente, tantas vezes, nos afeta.

re:zero subaru vendo a rem morta
Vai deixar uma cicatriz

Aquela cena da Rem boneca de pano, nossa, chocante. O tema do anime muda para algo muito mais trevoso, malégno do mal.

re:zero rem morte brutal

Outra cena, nesse mesmo episódio, é a da Nevasca, do Pack no fundo, Subaru com a Rem nos braços… De perder a cabeça.

subaru morto pack gigante
E que rolem os créditos

Enquanto vemos as inúmeras tentativas e fracassos, vemos também como os outros personagens se portam perante a isso.

No fim, o Subaru tenta pedir a ajuda de todo mundo e os outros personagens não agem como ele gostaria.

Ninguém aqui é ativista, Subaru

O que eles fazem? Cagam na cabeça dele.

Mas tudo isso vai ser melhor usado no futuro, quando o Subaru usar a cabeça para pensar num plano. Tudo que ele aprender durante esse processo, ele acaba usando, e isso é algo bem interessante de se ver.

Porém, acho meio falho como o Subaru “perdoa” todas essas pessoas tranquilamente, mas não perdoa o Julius (cavalheiro que dá uma surra nele).

Quer dizer, ser usado tudo bem, mas falar que eu não sou digno da Emilia-tan??? Jamais passará.

subaru confrontando julius

Por fim, aquele discurso da Rem… Cara, abala qualquer kokoro. Se você estava investido, é impossível aquilo não te tocar de alguma forma.

É um diálogo muito corajoso por parte da direção e uma das melhores cenas de anime de todos os tempos, na minha opinião.

É algo que falta muito nos animes hoje em dia. Esse diálogo me marcou muito mais do que qualquer cena épica, como por exemplo a luta com a Baleia Branca, que acho até meio prolongada demais.

rem chorando episodio 18
É por essa cena que tem tantos “Rem best girl

Não tenho muito mais o que falar desses episódios, são excelentes. Nada é muito expositivo, mas ainda assim, vemos mais dimensões dos personagens e suas motivações.

A Baleia Branca

Esse “vilão” é ótimo para piadas com a mãe do amiguinho.

Enfim, agora vemos todas as informações recolhidas e relações construídas sendo usadas para um único propósito, salvar a Emilia-tan.

É de fato uma estratégia muito boa, usar uma batalha em comum, para unir pessoas com objetivos diferentes e usar a gratidão deles para cumprir o próprio objetivo. Afinal, o inimigo do meu inimigo, é meu amigo!

Uma bela jogada tática do Subaru, que finalmente vai passar pela sua redenção. No fim, a jornada do herói é a base do roteiro, e isso não é algo ruim. Ela é muito bem utilizada aqui.

re:zero baleia branca

“De primeira, lixos”

Um aspecto que foi ignorado aqui é o de inúmeras tentativas. Ele vai lá e resolve, first try, e ninguém (importante) morre.

Similarmente, acho que a luta é meio meh. Não gostei muito da batalha em si e não existe nenhuma consequência real (aparentemente, cof cof rs). Esse é um problema recorrente de Re:ZERO.

Por ele ficar resetando direto, o peso das mortes é um tanto diminuído, mas acredito que o anime é bom em te fazer esquecer disso.

Acredito também que seja por isso que eles botam cenas tão fortes, como as mortes da Rem em diversos episódios. A morte tem uma função traumatizante no espectador.

rem morta
Realmente, traumatizante

Porém, nessa luta morre tanto figurante que chega a ser cômico. Só vemos figurantes voando de um lado pro outro, até parece as últimas temporadas de Game of Thrones.

E é claro, o Subaru não vai morrer pra refazer a batalha e salvar as 15 pessoas aleatórias que morreram.

re:zero figurantes mortos
R.I.P. Figurante nº78 e Figurante nº184, eram meus favoritos

O Subaru sofre de um mal chamado “Bondade Seletiva”.

Se a Rem ou a Emilia morrem, ele vai lá e pula do abismo, morre, volta, faz tudo de novo. Se o pessoal da vila morre, mesma coisa. Agora, 15 pais e mães de família morrem na batalha e viram estatística.

Figurante é gado.

Dei um soco na preguiça, pra moleza não baixei a guarda

O Petelgeuse Romanee-Conti (Piteuzinho para os íntimos) realmente é um antagonista interessante. Como vimos, a forma que ele matou a Rem é de fazer o cérebro latejar.

O discurso dele sobre loucura é, também, muito interessante.

re:zero petelgeuse
“Como assim tu não quer comprar meus produtos Jequiti?”

A forma que ele usa mãos invisíveis para fazer seu trabalho, como ele se contorce e se mutila, como ele julga a preguiça dos outros e seu cargo nessa seita religiosa sinistra.

Ele é um clássico antagonista caricato, entretanto, eu acredito que funciona bem em Re:ZERO. Gostei da resolução em geral, achei meio simples, mas pelos poucos episódios que sobraram, achei uma conclusão satisfatória.

Eu acho estranho todo o foco no Julius, não sei se ele é importante, mas achei meio aleatório.

Aquela luta final com ele vendo pelos olhos do Subaru é meio dispensável, mas não sei o que vem pela frente, acho que eles queriam dar tempo de tela para o Julius.

re:zero julius meio feio
Aqui claramente faltou orçamento pra passar um reboco na cara do Julius

Todo o esquema do Gospel, da seita da bruxa, tudo te deixa cada vez mais interessado e curioso sobre o que a Bruxa quer do nosso querido Subaru. Meu cérebro estremece!

Mas antes de continuarmos, vamos falar de alguns detalhes…

Os estereótipos de Re:ZERO

Muitas pessoas vão dizer que estou exagerando e tudo mais, entretanto quero que você faça esse exercício comigo.

Porque a assassina precisa ter peitões, usar uma roupa super sensualizada e salto alto se isso não vai ser relevante? Ela não tenta seduzir ninguém, ela não faz a femme fatale nem nada do tipo.

re:zero cortadora de entranhas
Não tem nenhuma cena boa com ela na claridade

Para explicar, femme fatale é uma personagem que usa da sua aparência para seduzir e assassinar, o que não é o caso dela, que só vai seco pra porrada.

Mas tudo bem, porque ela pode apresentar esse aspecto, de seduzir e assassinar, viúva negra, na próxima temporada. Mas não nessa.

Agora me explique, qual é o objetivo do Ferris ser “trans” e “furry”. Por favor, evitem usar “trap”, é um termo pejorativo, como se a pessoa estivesse enganando as outras.

re:zero ferris

Tem todo um papo entre os fãs sobre ele ser transsexual e tudo mais, porém o autor não explora isso em momento nenhum, sendo assim não acredito que o autor fez isso pra debater preconceito ou representatividade.

É fácil julgar se isso é representatividade ou não. Parece que ele botou o Ferris lá para ser alívio cômico e fan service.

A parte do furry eu ainda vou deixar passar porque vêm da origem dele. O personagem é puramente estereotipado, é um personagem que parece ser feito para ser fetichizado.

A própria história dele e personalidade é feita pra agradar o desejo de alguns.

A Beatrice então, bruxa loli de 400 anos, pra tentar justificar a waifuzação. Aliás, Rem e Ram são empregadas, se lembra? Só faltou colegial pra fechar a lista de fetiches.

re:zero beatrice

Lembrando que é a minha opinião, de forma alguma isso estraga completamente a obra, mas é algo a se pensar.

A Emilia-tan sumiu por meia temporada

Muitas pessoas apontam isso como um erro da série, ou também que eles abandonam os personagens. Eu não concordo, porque acredito que essa história é sobre o desenvolvimento do Subaru.

emilia surpresa

Sinto que os personagens que são trabalhados têm um desenvolvimento e os que ainda não foram trabalhados serão posteriormente. Já os que são abandonados, provavelmente serão retomados na próxima temporada.

Re:Zero é uma light novel bem grande e ainda só temos a primeira temporada, provavelmente ainda tem muito a vir.

E os outros personagens de Re:ZERO?

Serei sucinto aqui, afinal, falei sobre eles no durante a análise toda. Essa é uma história que se beneficia de personagens secundários para serem o reflexo do principal.

Existe uma filosofia que, em um relacionamento, cada pessoa age como um espelho ao outro. O que isso significa? Conforme nos relacionamos com as pessoas a nossa volta, nós conhecemos mais sobre nós mesmos.

E o que isso tem a ver com Re:ZERO? Tá ficando louco?

Só é possível construir o personagem do Subaru tão bem por causa dos personagens suportes. Conforme o Subaru passa pelas mais diferentes situações, com os personagens mais distintos, ele começa a enxergar a si mesmo.

subaru jantando com a crusch
Um jantar com a Crusch

Além disso, nós começamos a enxerga-lo. O que uma pessoa diz, não é o que ela pensa, e não é o que ela faz. Sem personagens para confrontar, amigavelmente ou não, nosso protagonista se tornaria um casco vazio.

Sendo assim, os personagens de Re:ZERO são muito bem construídos. Tanto o Piteuzinho, quando a Remuuuu (Gada demais), quanto a Crusch (me nota), todos tem suas motivações e personalidades.

re:zero rem um chifre
Aliás, ela é só meio gada, porque só tem um chifre

Porém, as vezes o autor cai em clichês, personagens estereotipados (como mencionei anteriormente). E digo mais, pelo que vi por aí da light novel, só piora em relação a sexualização e estereótipos.

Além disso, nem todos são super bem desenvolvidos, mas como eu disse, sempre há outras temporadas e eu sinto que a história apenas começou.

Sobre a trilha sonora de Re:ZERO…

Não falarei disso, pois teremos um artigo unicamente sobre a trilha sonora aqui na Cúpula. O Pedro-san logo vai disponibilizar isso com mais detalhes pra vocês (spoiler).

Entretanto, fica ai o tema da bruxa pra vocês escutarem, simplesmente maravilhoso.

Mas e a animação de Re:ZERO?

Não tem nem muito o que falar, ótima qualidade. Masaharu Watanabe é impecável nos enquadramentos e condução da história. A versão do diretor, que saiu recentemente, é ainda melhor do que a versão normal, nessa questão.

Nada super inovador, porém tem enquadramentos muito bons, como as da Rem (morrendo) e aquelas do Pack gigante.

pack gigante em re:zero

Aliás, parece que eu não gosto da Rem, de tanto que falei que gostei das cenas dela morrendo, mas relaxa que eu gosto sim, personagem bem construída (e descontruída pelo Piteuzinho rs).

ram chorando
Devil Woman Crybaby

Pra finalizar, o uso de cores para a construção da atmosfera da cena é muito bom, sabem muito bem o que estão fazendo, e fazem com perfeição.

Sem mais comentários.

Finalizando…

Re:ZERO é, no mínimo, um anime interessante. Ele tem um mundo muito intrigante, ele é diferente da maioria dos Isekais e a direção do anime é simplesmente maravilhosa.

Ademais, o autor da light novel as vezes cai em personagens secundários clichês e estereotipados. A história as vezes se prolonga. As vezes algumas coisas não fazem sentido por não serem explicadas.

A obra tem algumas falhas, mas não posso deixar de salientar sobre suas qualidades. A forma que tratam o desespero é magistral. Existem diálogos muito bons e o Subaru é um personagem muito interessante, você passa da fase do ódio até a fase do “Ele até que se redimiu”.

re:zero reinhard overpower
Nem aparece direito, mas sei que é overpower

As batalhas, na minha opinião são ok. Nada acima disso. Porém o roteiro é acima da média, principalmente para isekais (que a média está bem baixa ultimamente).

Uma parte da nota é pelo seu potencial, gosto do mundo que eles criaram (que é um mundo plano aliás, tem cachoeiras pro abismo nos quatro cantos) e gosto dos mistérios que o envolvem.

Falei demais já. Vlw Flw.

Brincadeiras à parte, peço desculpas por todas as piadas horrorosas que fiz durante a análise. Que a grande Satella esteja com vocês. Meu cérebro estremece!

Nota
8.5

/10

Uma obra boa e com bastante potencial para ser melhor. Re:ZERO tem uma ótima direção, porém as vezes se perde em clichês e foco.

Aliás, quem é Rem?

Sim, a cena final de Re:ZERO Director’s Cut é DIFERENTE da versão de 2016!

Além disso, tanto o Director’s Cut, quanto a série de 2016 (junto com as OVA’s) estão disponíveis na Crunchyroll, então corre que ainda dá para ver tudo antes da próxima temporada.

Escrito por

Wesley Dagostim

Engenheiro Mecânico e Escritor

Hipster | Amante de leitura

Criciúma - SC

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Ir para o topo