Especiais

KARAS é bom? Vale a pena assistir os 6 OVA’s? | Crítica

8 minutos para leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

KARAS é um anime produzido pela Tatsunoko Production, que é uma pioneira em animes, criada em 1962, participando assim das primeiras gerações de animes japoneses.

Além disso, o Tatsunoko Production é o mesmo estúdio que trouxe Speed Racer, Macross e participou da produção de Evangelion.

Em 2005 a Tatsunoko completou 40 anos do lançamento de sua primeira animação (sem apoio de outros estúdios), e lançou 6 OVAS de uma animação chamada KARAS.

Resultado de imagem para karas poster

KARAS é uma dark fantasy, sobrenatural e futurístico que nos apresenta a um universo onde cada cidade do mundo tem um guardião que a protege contra yokais malignos. Tais guardiões são os famosos “KARAS“.

O conflito do enredo em KARAS começa quando Eko, um Guardião da cidade de Shijuku, por motivos misteriosos, decide se rebelar e destruir raça humana, liderando os Yokais em uma série de assassinatos e massacres de humanos.

A história se inicia com esse rebelde batalhando contra outro guardião. Na luta, Eko vence a batalha e assassina o seu rival.

Eventualmente, a cidade acabou ficando desprotegida para os ataques dos Mikuras; Yokais modificados por Eko que se tornaram maquinas e se alimentam de sangue humano.

Yurine (já irei explicar sobre ela) inicia uma busca por um sucessor, correndo contra o tempo para evitar a completa destruição de sua cidade.

Com isso, já é possível ver que KARAS é uma obra um tanto quanto diferenciada no mercado.

Um pouco sobre os personagens de KARAS

Yurine

Uma Yurine é a personificação da vontade da Cidade; que, nesse caso, é a Shijuku. Yurines são parceiras/administradoras dos Karas.

São elas que decidem quando e como eles devem agir. Já os Karas, são como os executores da vontade da cidade. O nome deles faz referência a “corvos” por causa de sua aparência.

Sendo assim, cada cidade tem sua própria Yurine e seu próprio Karas, mas nem um deles deve interferir na rotina do outro. No entanto, com a repentina rebeldia de Eko, a cidade viu a necessidade de ter uma segunda Yurine para combater esse mal.

Nue

A animação nos apresenta Nue como sendo um caçador de Mikuras que consegue lutar de igual para igual com eles.

Mesmo que não seja um aliado do Karas, Nue tem suas razões para querer aniquilar os Yokais malignos e proteger os humanos.

Sagisaka e Kure

Sagisaka é um investigador que a dois anos dedica todo seu tempo para investigar assassinatos com o envolvimento de Yokais. Obviamente, todos o tratam como se fosse louco por mais estranhas que sejam às circunstâncias das mortes das vítimas.

Enquanto seu parceiro, Kure, foi transferido recentemente para aquela cidade e teve que aceitar trabalhar com o investigador mais velho. 

Assim como todos às outras pessoas, Kure achava tudo aquilo uma grande perda de tempo e não entendia o porque do velhote estar tão obcecado por aquilo. Entretanto, seu ponto de vista começa a mudar quando ele conhece a história da filha do Sagisaka.

Otoha

Otoha é o “kara” (me desculpem pelo trocadilho). Contudo, ele não se lembra de seu passado, pois acordou em um outro mundo já como guardião da cidade.

Yurine explica que ele está ali por que fizeram um acordo. Porém, sem se aprofundar no assunto.

Além de disruptivo, KARAS é bonito

A animação foi feita com a maior parte no tradicional 2D, porém o estúdio não economizou no melhor CGI da época para algumas das cenas em 3D (que, ironicamente, continua sendo muito superior ao Berserk de 2016).

Certamente isso prova a dedicação e fé que seus produtores tinham na sequencia de OVA’s, fora que é uma demonstração de capacidade por parte do estúdio para com seus espectadores.

Falando no CGI, ele funciona muito bem na maior parte das vezes, com cenas de lutas bem fluidas e cheias de efeitos.

Contudo, apesar de possuir um ótimo nível técnico, eu prefiro dizer que a animação não envelheceu muito bem (considerando que ira completar 15 anos em 2020), afinal, ela apresenta alguns defeitos bem rudes.

KARAS tem um ritmo lento com cenas de lutas bem animadas, e, além disso, obra também é repleta de referências a tokusatsus, tais como Jiraya, Jaspion e Garo, por meio dos tradicionais “Hora de Morfar” e a “Pose do golpe final antes do inimigo explodir atrás do herói”.

Mas porque não fez sucesso?

Os principais pontos negativos da obra (que, acredito eu, a tornaram tão impopular) são seus personagens pouco carismáticos e seu ambiente excessivamente escuro e nebuloso.

Além disso, os cinco personagens se revezando em cena numa animação relativamente curta para o seu potencial deixa o espectador com uma sensação de que poderia ter sido melhor.

Finalizando…

De fato, KARAS é um pouco “velhinho”. Sou obrigado a admitir.

Sendo assim, antes de julgar seu CGI lembre-se que a animação acaba de completar 15 anos, sendo ela de 2005.

Além disso, caso não esteja entendendo muito bem às coisas, não se preocupe, pois elas faram mais sentido a medida que a animação vai progredindo.

A trama vai se desenrolando e os conflitos são resolvidos, mesmo que o plot em si não seja algo super envolvente.

No fim, os produtores sacrificaram profundidade e número de episódios, por ótimos visuais (para a época) e uma qualidade sonora muito bem feita.

Se o balanceamento disso ficou bom ou não, cabe a você decidir assistindo.

Escrito por

João Bernardes

Escritor

Gamer | Mestre dos guias

Campo Grande - MS

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Ir para o topo