Análise

O webtoon de Bastard é bom? Vale a pena ler? | Crítica

O webtoon de Bastard é o melhor título de suspense que você lerá
18 minutos para a leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Há pelo menos 3 anos os webtoons tem ganhado espaço de forma exponencial no Brasil, e é comum descobrirmos obras que já não são tão recentes e mencionarmos aqui parecendo ser novidade, e esse é o caso do webtoon Bastard.

Escrita por Carnby Kim e ilustrada por Youngchan Hwang, sua primeira publicação foi no ano de 2014 e conta a história de Jin Seon, um frágil adolescente cujo pai é um serial killer.

Pai do Jin Seon Webtoon bastard

Curioso e diferente do habitual, não?

Há duas coisas que me atraem ao começar uma nova obra:

A primeira e talvez a que tenha maior relevância, seja o fato da obra já ser finalizada. Adoro ler algo sabendo que tem um final.

E segunda, sua originalidade. De uns tempos para cá, temos tido uma enxurrada de animes, mangás e principalmente webtoons de isekais ou que seu protagonista seja o famoso overpower.

Achar uma história boa em meio a tanta coisa genérica é quase como encontrar uma agulha em um palheiro.

Bastard tem essas duas coisas. Ele é uma obra finalizada e conta com uma história que dificilmente é vista.

Mas, as coisas não param por ai, há diversas outras qualidades que fazem o webtoon de Bastard ser uma das melhores obras que já li.

Qualidades do webtoon Bastard

Eu sou uma pessoa que assistiu/assiste muito filme, e não é de hoje que eu conheço obras coreanas, em especial os filmes, e se tem uma coisa que a Coreia do Sul sabe fazer muito bem são as histórias de drama. Porém, o forte mesmo são os suspenses de vingança.

São historias tão mirabolantes que é difícil imaginarmos como alguém são conseguiu conceber uma história tão perturbadora.

Pegue os filmes: Old Boy, I saw the Devil, Lady Vengeance e mais recentemente Parasita, que você entenderá exatamente o que eu estou falando.

Outro ponto que todos eles tem em comum é a forma como eles trabalham a moral e a ética e conseguem subvertê-las ao ponto de pensarmos o que é certo ou errado.

Bastard é incrivel nesse ponto, pois além de ser uma história totalmente pé no chão, sem poderes e sem coisas sobrenaturais, é totalmente sólida e coesa, não possuindo contradições em nenhum ponto.

A direção cinematográfica do webtoon de Bastard

Carnby Kim e Youngchan Hwang tonaram-se meus autores favoritos. A forma como eles conduzem essa história é fantástica. A sensação que temos é de que estamos vendo um filme, chegando ao ponto de parecer que as páginas estão animadas.

A fotografia empregada e a direção são incríveis. Não lembro de uma história que conseguiu ilustrar tão bem as emoções dos personagens com o webtoon de Bastard fez.

E não apenas isso. Existem momentos em que eles usam “takes” mais longos, tipo picos de filme, para prolongar uma cena de tensão e leva lá ao extremo ou intensificar algum sentimento. Como por exemplo essa abaixo:

Personagem de bastard emocionado

Ou, por exemplo, uma cena desenhada pelo olhar de câmeras de segurança, no qual o personagem A está em um ponto e o personagem B, que é uma ameça, em outro, e como eles estão caminhando um para próximo do outro.

Imagens da camera de segurança de uma loja de conveniência

Há diversos outros exemplos de uma direção de arte fora da curva, mas acho que já dá para ter uma noção com esses exemplos de que não se trata de algo padrão.

Se ainda não conhece, vá dar uma conferida!

“Efeitos sonoros” em um webtoon?

Ao ler, sua imaginação deve exercer um papel importante para sua imersão na trama. As histórias em quadrinhos já quebram um “galhão” nesse quesito, pois você não precisa se preocupar em formar imagens em sua cabeça.

Porém, outros “efeitos”, como o som, ficam a seu encargo; entretanto, você não tem a obrigação de fazer isso sozinho, e o autor deve oferecer recursos para estimular o leitor a ouvir/sentir o que ele quer passar.

Agora, vou falar uma coisa, mesmo não tendo som, a descrição dos sons que o Bastard webtoon tem, é tão detalhada, QUE JURO POR DEUS, eu conseguia ouvir cada coisa que estava acontecendo em cena, até mesmo o silêncio.

Seja a chuva que caia, os passos dos personagens, uma porta se abrindo lentamente, um elevador subindo. É incrível como páginas estáticas podem ter tanta vida.

Claro, para você sentir tudo isso são necessárias duas coisas:

A primeira é experiência; quanto mais obras você lê, mais você consegue trabalhar a sua imaginação.

A segunda é a imersão na trama, pois se algo fica te puxando de volta para a ”realidade”, seja um personagem incoerente, uma história que não faz sentido, ou distrações externas, dificilmente você conseguirá atingir o potencial que aquilo tem a oferecer.

Desse modo, eu recomendo você ler o webtoon de Bastard em um momento só seu, no qual você consiga se abster de tudo ao seu redor e focar nesse thriller incrível.

A sutileza de uma história pesada

O webtoon de Bastard tinha tudo para ser uma história gráfica, cheia de sangue, pessoas desmembradas, mais sangue, violência gratuita, até mesmo o famigerado ecchi… Enfim!

Tudo aquilo que estamos acostumados a ver por aí, que não é de hoje.

Porém, de novo, mérito deles, Carnby Kim e Youngchan Hwang, conseguem passar tudo isso que eu falei acima, sem mostrar de forma gráfica.

Isso é uma escolha narrativa, o que eles querem contar não é o gore, a violência, ou o estupro. O que eles querem contar é uma história de um filho que precisa vencer seu pai serial killer que é praticamente invencível aos olhos de um adolescente de 16 anos.

A ideia não é criar uma tensão com base na violência, a ideia é criar um terror utilizando a sugestão, a atmosfera, a criatividade, e principalmente a imaginação.

Em nenhum momento o webtoon mostra quais os métodos que o pai do Jin Seon usa para matar suas vítimas. Apenas sabemos que ele as mata de maneira cruel e que as estupra em algum momento no processo. Só essa sugestão já aterroriza o suficiente, e não é necessário mais nada.

E quando se mostra algo, é de maneira crua, sem cerimônia ou de forma épica. Pelo contrário, chega até ser anticlimático, caso você tenha alguma expectativa de um embate ou reviravolta mirabolante.

Sinceramente, eu gosto quando há cenas gráficas, mas eu gosto mais ainda quando a ideia consegue ser melhor que a ilustração; e o webtoon de Bastard, de fato, faz isso com louvor!

O conjunto da obra do webtoon de Bastard

Bastard, como disse anteriormente, tem começo, meio e fim, e isso por si só já vale seu tempo investido nele. Mas, se avaliarmos ela como um todo, é fácil concluir que sua estrutura é boa e bem definida.

Basicamente é uma história dividia em três atos mesclada com a jornada do herói:

Temos a apresentação do mundo, o estabelecimento do confronto e a conclusão de tudo. E claro, no meio de tudo isso temos o famoso clímax, mas falarei dele no próximo tópico.

No meio desse caminho surge um romance, um mentor, a provação (em dobro), a vontade de desistir de tudo e o embate final.

É interessante ver como o autor domina as técnicas narrativas, pois tudo é feito de maneira muito orgânica e sutil, mesmo seguindo uma “fórmula”.

Quanto ao final, mesmo eu não gostando, é o final mais certo para uma obra com esse tom. É uma redenção para todos os lados, com uma conclusão “melancólica”, mas provavelmente a mais “feliz” possível.

Em síntese, o webtoon de Bastard é muito bom. Uma boa história, bons personagens, bom desenvolvimento e uma boa conclusão. Recomendo fortemente para aqueles que buscam uma boa história e que seja rápida de ler.

Spoilers na área! Mas calma

Até o momento eu evitei o máximo possível os spoilers e tentei elencar as qualidades dessa obra de forma a não diminuir a experiência do leitor.

A partir desse ponto, quero comentar algumas coisas que eu gostei e outras que foram boas, mas que poderiam ter melhor elaboração.

Se você não leu Bastard webtoon, NÃO LEIA os próximos tópicos, isso irá acabar completamente com sua experiência o que seria frustrante.

Para aqueles que já leram, vamos lá!

Clique aqui para pular os spoilers.

O romance no webtoon de Bastard

Para aqueles que me conhecem, sabem que eu detesto romance em qualquer obra que seja. Talvez eu tenha tido só experiências ruins com esse gênero, ou, o mais provável, é que os japas não conseguem impactar os ocidentais com romances orientais.

Digo isso visto que muitas vezes esse romances não levam a nada, narrativamente falando, e só seguram a trama. Outro ponto é que muitas vezes esse romance perdura toda a série, e, no final da contas, o personagem ainda acaba com algum outro “random“.

Ou seja, foi completamente irrelevante!

Claro, isso não é uma regra, há diversas exceções. Mas de fato, isso acontece com muita frequência em diversas histórias.

Porém, no webtoon de Bastard, é diferente, talvez por tratar-se de uma história coreana e eles provavelmente serem menos bobos que os japas, me agradou muito.

Na verdade, não lembro qual foi a última vez que fiquei tão satisfeito em ver um casal sendo formado. E o timing foi perfeito, o autor fez isso em um momento muito oportuno da história e de uma forma tão gostosinha que eu fiquei genuinamente comovido com tudo aquilo.

O mais legal é que mesmo tudo indicando que esse romance iria acontecer, acho que o autor conseguiu pegar todos desprevenidos, pois, ao mesmo tempo que foi algo natural, também foi algo relativamente rápido, sendo que ocorre um pouco depois da metade da história.

Além de tudo, inegavelmente foi uma cena belíssima e fofa, e com certeza eu lembrarei desse casal por um bom tempo.

Protagonista do webtoon de bastard dando um beijo
Cena dois do beijo dos protagonistas
Tive que colocar toda a cena s2

O final de Bastard Webtoon

Carnby Kim e Youngchan Hwang foram muito felizes na construção de um vilão carismático e ameaçador. É difícil passar a ideia de alguém mal, perverso e vilanesco, quando o character design é o de um CEO de uma mega empresa. Mesmo assim, fica claro o quão ameaçador é Dongsoo Seon, o pai do Jin Seon.

Dongsoo Seon um dos protagonistas do webtoon de bastard

É inegável que o personagem é tão maléfico, que é possível acreditarmos que ele é realmente um demônio no corpo de um humano.

Não temos uma construção de personagem para Dongsoo Seon, ele já é um personagem formado, mas os autores vão nos mostrando pouco a pouco o porquê dele ser tão bom em matar e nunca ter sido descoberto.

Ele é tão bom em mentir, que muitas vezes nos perguntamos se ele tá mentindo mesmo ou se é verdade, tornando-o um personagem bem difícil de decifrar, pois sempre ficamos com dúvida em relação às suas ações.

E essa dúvida é boa, ficar matutando se as ações e as mentiras dele são verdades pela metade; é o que torna a experiência melhor.

Então qual o problema?

A questão aqui talvez seja uma mistura de expectativa com uma incoerência de personalidade estabelecida ao longo do webtoon.

Pois tudo aquilo que foi construído até então, a dubiedade de suas ações e suas falsas verdades, meio que é jogado fora no final da história, e eu explico o porquê.

No final do webtoon de Bastard temos a redenção do Dongsoo Seon e ele nos revela que na verdade “tudo” o que ele fez até então foi para o bem do Jin Seon, seu filho.

Dongsoo Seon conversando com o espirito da sua esposa

Até ai “ok”. Pois Dongsoo Seon sempre manipulou as emoções de seu filho em benefício próprio, e esse poderia ser só mais um de seus subterfúgios.

Porém, os autores deixam bem claro que não, pela primeira vez aquilo é verdade e toda aquela construção de um demônio encarnado, na verdade era apenas uma máscara de um pai psicopata, mas amoroso.

O problema nem é a redenção em si, mas sim a forma que ela foi feita. Eu queria ter ficado com a dúvida se tudo aquilo que ele contou, os motivos que pelo qual ele matou algumas de suas vítimas em prol do bem-estar do seu filho, se eram realmente verdade ou se ele estava contando mais uma de suas falsas verdades.

Queria ter acreditado até o fim que ele era de fato um demônio, e que suas ações eram completamente egoístas. É inegável que, ao humanizar um personagem tão do mal, perde-se um pouco o peso narrativo que a história construiu tão bem.

Enfim!

Mesmo com esse defeito, o webtoon de Bastard tem um final bem satisfatório e que provavelmente vai agradar boa parte dos seus leitores.

Finalizando a crítica do webtoon Bastard

O webtoon de Bastard com toda a certeza é uma obra que merece, e muito, sua atenção.

Mas não acho que ela seja uma obra para leitores iniciantes, pois você só irá conseguir aproveitar o máximo que ela tem a oferecer se você tiver a capacidade de imergir na história.

Entretanto, provavelmente lembrarei do webtoon de Bastard por um bom tempo, e até surgir alguma outra obra, ela terá um lugarzinho especial no meu Top10 melhores webtoons.

Eai, gostaram da análise? Tem algo que eu deixei de falar que merecia destque? Tipo a subversão do mentor dessa história que é muito boa?

Para quem já leu, gostaram do final, ou inegavelmente seria melhor que o Dongsoo Seon sentasse no colo do capeta?

Deixa aí nos comentários, podemos estender um pouco mais esse assunto.

Escrito por

Pedro Bernardes

Profissional de Educação Física

Cult | Atleta | Leitor compulsivo

Belo Horizonte - MG

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.
Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!