Em nossas RegrasDe3, os autores assistem os 3 primeiros episódios de um anime novo lançado na respectiva temporada. Após isso, eles escrevem uma análise sobre esse começo da obra, sendo uma espécie de primeiras impressões. Fique atento: a RegraDe3 é uma visão baseada APENAS nesses 3 primeiros episódios, NÃO sobre o anime inteiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pocket

Eu juro que eu não faço ideia porque Akudama Drive chamou minha atenção. Talvez foi meu amor incondicional pela temática cyberpunk, ou pelo tom diferentão que o anime pareceu propor pelo trailer. Talvez, ainda, foi a própria trilha sonora, que empolgou. Ou o design dos personagens?

Eu não sei. Mas eu votei nele como uma das escolhas trovejantes da temporada de outono, e, por sorte, o Diegão me passou a bola para fazer essas primeiras impressões (RegraDe3).

Então, é, pela minha escrita até aqui deu para notar que eu cultivei certa expectativa sobre o anime. E isso quase sempre é um problema.

Mas eu disse quase.

Aqui, com Akudama Drive, não foi um problema. Pelo menos não ainda.

poster de akudama drive
  • Gênero: Ação, Sci-Fi
  • Estúdio: Studio Pierrot (Naruto)
  • Material fonte: Original 
  • Episódios: 12
  • Novos episódios: Quinta-feira
  • Página do anime (na Cúpula) (no MAL)

Uma sociedade interessante, no mínimo

Em Akudama Drive, aparentemente, iremos acompanha a história do ponto de vista da de uma jovem garota que acaba se metendo numa confusão de proporções descomunais, tudo na base do “sem querer”.

akudama drive protagonista

Essa garota é justa e de bom coração, mas que, como citado acima, acaba se envolvendo numa cadeia de acontecimentos malucos e se vê na necessidade de, agora, se juntar a um grupo de bandidos (os “Akudama”) para fazer um mega-assalto orquestrado por um personagem… Incomum.

personagens de akudama drive

Em paralelo, de cara, o anime faz questão de nos mostrar pelo menos por cima como é aquela cidade.

Nos mostra cenas onde é completamente perceptível que tudo aquilo se passa numa época onde a tecnologia já evoluiu o suficiente para as pistas de transito terem barreiras invisíveis para que os carros não acidentalmente atropelem os pedestres (que são muitos).

Dinheiro em papel ou moedas mal são utilizados, tudo brilha pra um cacete, as pessoas usam roupas meio “futurísticas”, e até mesmo robôs são os responsáveis por fazerem funções públicas.

akudama drive cidade com muito brilho a noite

Essa é a atmosfera de Akudama Drive. E eu gosto bastante, principalmente porque não foi tudo simplesmente CUSPIDO na sua cara.

Você absorve e, lentamente, entende como funciona aquilo tudo. Ou pelo menos parte daquilo tudo…

Eleve sua suspensão de descrença ao máximo, e aproveite!

Acho bom deixar claro também que você NÃO deve se apegar a detalhes ao entrar em Akudama Drive. Pelo menos em termos de primeiras impressões. Afinal, como levar a sério que tamanhas coincidências realmente irão resultar naquilo?

Ou, ainda, que a protagonista seria “tão justa assim”, sendo que era só fazer uma TED pelo Nubank pro cara depois de usar o dinheiro dele? (quem viu, entendeu!)

Além disso, é possível termos pessoas tão fortes assim? Ou motos que parecem ser 10x mais eficientes que um Batmóvel?

Cara, no fim, não importa. Só sinta. Entre na vibe do anime. Não fique procurando por respostas que façam sentido, porque a lógica passou longe de Akudama Drive.

E isso NÃO é um problema, porque, diferente de Dr. Stone, para mim, esse anime aqui não se vendeu como algo “sério” e “lógico”.

Muito pelo contrário. Ele não se vende fora do que mostrou até então: violência e sci-fi.

Tudo que tínhamos dele até então eram trailers de ação e uma sinopse que, até o final desses 3 episódios, só foi recitada dentro do anime por um par de bonecos em um programa de TV infantil.

Então eleve sua suspensão de descrença ao máximo desde o começo e tenho certeza que esse anime será um bom entretenimento.

Akudama Drive tem algumas características fora do comum

Vi muitos pontos que me chamaram a atenção nessas primeiras impressões, e não falo aqui do roteiro ou da história, mas sim de coisas como a maneira como os personagens foram apresentados ou coisas mais loucas de como a troca de cenário ocorre.

No primeiro caso supracitado, sempre temos uma cena clássica de apresentação de personagem, deixando claro em que âmbito aquele personagem é “foda”.

Depois, entra um letreiro maluco na tela à là PROMARE, onde provavelmente mais coisas sobre esse personagem foram ditas, mas o site que tive que ver não traduziu, infelizmente.

O segundo caso [sobre a mudança de cenário] é bem interessante também, pois quando teremos isso (tipo, estamos numa casa, e agora vamos para o esconderijo), as peças do cenário meio que vem encaixando, uma por uma, até finalmente estar tudo montado para começar a nova cena. Achei bem diferentão. Não lembro de ter visto algo assim em outro anime.

Além disso, temos um anime de assalto, uma temática que vi pouquíssimo em animes. Na minha experiência pessoal, lembro apenas de alguns episódios de Cowboy Bebop que trabalham esse tema, e provavelmente Great Pretender, que ainda não tive a chance de ver, mas, segundo o Diegão, “tem uma pegada 11 Homens e um Segredo.

Em outras palavras, considero “assalto” algo atípico em animes, por isso, esse elemento também somou positivo aqui em Akudama Drive.

Finalizando as (felizes) primeiras impressões de Akudama Drive

Fiquei feliz de ver que ainda não estou morto por dentro.

Digo isso pois, ao fazer essa RegraDe3, consegui explorar bem os pontos positivos de Akudama Drive, mesmo que o anime não seja lá essas coisas.

Ele não apresenta nada tão inovador assim. Principalmente porque parte dos problemas (ou todos eles) se resolvem com base no “caramba, que conveniente” ou “uau, que sorte!”.

Todavia, o anime me surpreendeu pela apresentação e design dos personagens, bem como por sua estética geral que, apesar de genérica, puxa muito para o cyberpunk mais dark que eu curto.

A trilha sonora é bacaninha, e o roteiro, apesar de conveniente, não estragou meu entretenimento. Suspendi BEM a descrença.

Sendo assim, com certeza verei esse anime até o final, mesmo porque quase tudo que assisti até agora nessa temporada me deixou meio broxado, tipo King’s Raid ou Noblesse.

E ah, acho bom deixar claro que Akudama Drive é um anime BEM violento. Tanto que em algumas das cenas até temos a incrível censura a là Terra Formars. Mas fica tranquilo que, apesar de estar ali, não é nada tão chato assim. Aconteceu apenas uma ou duas vezes nesses primeiros 3 episódios (acho).

Por fim, concluo que esse anime provavelmente valerá seu tempo, mas, ao mesmo tempo, não vai constar na sua lista de favoritos (e você provavelmente vai esquecer ele daqui um tempo).

Mas tá tudo bem.

Escrito por

André Uggioni

Co-Fundador

Editor-chefe | Host do CúpulaCast

Criciúma - SC

Gostou do artigo?

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto e convide o autor da postagem para conversar!

Se inscreva e receba
novidades exclusivas
da cúpula do trovão!

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Ao navegar nele você está aceitando nossa política de privacidade.
Gosta de animes e mangás? Conheça o nosso podcast!